A crise da escola: o (re)pensar de uma outra escola face aos desafios do século XXI

  • Maria Lopes ESEAG, grupo Lusófona – Lisboa

Resumen

Este artigo pretende apresentar, num primeiro momento, uma reflexão crítica acerca da crise da escola, tendo como enquadramento a problematização de significados à luz da missão da escola enfocando a gramática da escola. Num segundo momento, a análise reflexiva recai sobre o (re) pensar de uma outra escola sob o prisma da globalização fase aos dilemas e desafios da contemporaneidade, ressaltando a mudança e a inovação como o caminho a trilhar na construção de uma boa escola – equitativa, inclusiva e democrática. Por último, enfatiza-se o sentido sociológico das escolas democráticas, revisitando o legado epistemológico de três grandes pedagogos do século XX, Jonh Dewey, Celestin Freinet e Paulo Freire, com o objectivo de clarificar a questão: Pode a escola ser outra coisa? (Lima, 2006). O ponto comum em análise centra-se no descobrir de novos caminhos e no resgatar do sentido epistemológico da função social da escola como espaço de possibilidades para todos no respeito pela diversidade humana e na difusão de valores universais.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Maria Lopes, ESEAG, grupo Lusófona – Lisboa
Doutora e professora Adjunta na ESEAG, grupo Lusófona – Lisboa (Portugal)

Citas

Alarcão, I. (org.).(2001). Escola reflexiva e nova racionalidade. Porto Alegre: Editora Artmed.

Apple, M. W. & Beane, J. A. (2000). Escolas democráticas. Porto: Porto Editora.

Barroso, G. (2008). Crise da escola ou na escola? Uma análise da crise dos sistemas públicos de escolarização obrigatória. Revista Portuguesa de Educação, Vol. 21, nº1, pp.33-58.

Barroso, J. (1995). Os Liceus: Organização pedagógica e administração (1836-1960). Lisboa: Junta Nacional de Investigação Científica e Fundação Gulbenkian.

Barrosso, J. (2001). A escola como espaço público local. In A. Teodoro (orgs). Educar, promover, emancipar. Os contributos de Paulo Freire e Rui Grácio para uma pedagogia emancipatória (pp. 201- 222). Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas.

Canário, R. (2002). Escola – crise ou mutação? In A. Prost., A. Antunes & A. Nóvoa (orgs), Espaços de educação tempos de formação (pp. 141-151). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Canário, R., Matos, F. & Trindade, R. (orgs). (2004). Escola da ponte: defender a escola pública. Lisboa: Profedições.

César, M. (2003). A escola inclusiva enquanto espaço-tempo de diálogo de todos e para todos. In D. Rodrigues (org.), Perspetivas sobre a inclusão: da educação à sociedade (pp. 104 -114). Porto: Porto Editora.

Dewey, J. (2007). Democracia e educação. Lisboa: Didática Editora.

Ferrari, M. (2008). Célestin Freinet. O mestre do trabalho e do bom senso. Disponível em, http://revistaescola.abril.com.br/historia/pratica-pedagogica/mestre-trabalho-bom-senso423309.shtml (acesso em 05 de julho de 2013).

Freire, P. (1994). Cartas a Cristina. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1997). Na voz do mestre, alguns saberes necessários à prática docente. Disponível em http://www.tvebrasil.com.br/salto/entrevistas/paulo_freire.htm (acesso em 01 de julho de 2013).

Freire, P. (2008). Pedagogia do oprimido. São Paulo: Editora Paz e Terra.

Gadotti, M. (1998). O Projeto-pedagogico da escola na perspetiva de uma educação para a cidadania. Disponível em http://www.paulofreire.org/pub/Institucional/MoacirGadottiArtigosIt0059/Legado_Artigos_Projeto_Politico_Pedagogico_Moacir_Gadotti.pdf (acesso em 02 de julho de 2013)

Gadotti, M. (2000). Perspetivas atuais da educação. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/spp/v14n2/9782.pdf (acesso em 9 de agosto de 2013).

Gadotti, M. (2001). Cruzando fronteiras. Teoria, método e experiências Freirianas. In A. Teodoro (orgs). Educar, promover, emancipar. Os contributos de Paulo Freire e Rui Grácio para uma pedagogia emancipatória (pp. 47 - 77). Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas.

Guerra, M. A. S. (2000). A escola que aprende. Lisboa: Edições ASA.

Lima, L. (2006). Escolarizando para uma educação crítica: a reivindicação das escolas como organizações democráticas. In A. Teodoro & A. Torres (orgs.), Educação crítica & utopia: Perspetivas para o século XXI (pp. 19-34). São Paulo: Cortez Editora.

Lima, L. (2009). Organização escolar e democracia radical: Paulo Freire e a governação democrática da escola pública. São Paulo: Editora Cortez.

Nóvoa, A. (2006). Entrevista: Pela Educação com António Nóvoa. Disponível em http://repositorio.esepf.pt/bitstream/handle/10000/14/SeE11_EntrevistaHenrique.pdf?sequence=1 (acesso em 10 de agosto de 2013).

Roldão, M. C. (2003). Diferenciação curricular revisitada: Conceitos, discursos e praxis. Porto: Porto Editora.

Sebarroja, J.C. (2001). A aventura de inovar: a mudança na escola. Porto: Porto Editora.

Teitelbaum, K. & Apple, M. (2001). Clássicos. John Dewey. Disponívelem http://www.curriculosemfronteiras.org/classicos/teiapple.pdf (acesso em 11 de julho de 2013).

Teodoro, A. (2003). Globalização e educação: Políticas educacionais e novos modos de governação. Porto: Edições Afrontamento.

Teodoro, A. (2009) Educação, globalização e neoliberalismo. Novas tecnologias de governação e reconfiguração dos modos de regulação transnacional das politicas de educação. Disponível em http://ateodoro.ulusofona.pt/images/stories/ateodoro/licao.educacao%2Cglobalizacao%2Cneoliberalismo.pdf (acesso em 20 de Junho de 2013).

Publicado
2015-09-15
Cómo citar
Lopes, M. (2015). A crise da escola: o (re)pensar de uma outra escola face aos desafios do século XXI. Revista Iberoamericana De Educación, 69(1), 183-195. https://doi.org/10.35362/rie691162
Sección
Artículos del especial