Panorama das produções acadêmicas em altas habilidades/superdotação

  • Ketilin Mayra Pedro Universidade Estadual Paulista
  • Bárbara Amaral Martins Universidade Estadual Paulista
  • Rosilaine Cristina Da Silva Universidade Estadual Paulista
  • Clarissa Maria Marques Ogeda Universidade Estadual Paulista
Palabras clave: educação especial; altas habilidades/superdotação; produção científica., educação especial, altas habilidades/superdotação, produção científica.

Resumen

A Educação Especial contempla deficiências, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação (AH/SD). Tendo as AH/SD como foco de investigação, objetivamos elaborar um panorama das teses e dissertações da área, verificando quais são os temas pouco investigados, bem como aqueles que já estão suficientemente explorados. Para isso, consultamos o banco de teses e dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, a Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações e os principais Programas de Pós-Graduação na área da Educação Especial. Foram localizadas um total de 126 produções, produzidas no período de 1987 a 2014. Com base na análise do título, resumo e palavras-chave elencamos 17 categorias temáticas. A partir de 2000 houve um aumento significativo na produção, porém, muitas questões relevantes continuam carecendo de investigações.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

ANACHE, A. A. (2009). A epistemologia qualitativa: contribuições para a pesquisa em educação especial. InterMeio: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, Campo Grande, MS, v. 15, n. 30, jul./dez, 123-141.

BARBOSA, A. J. G. (2014). O método das pesquisas sobre talento: Análise a partir de Artigos Indexados na Base de Dados Scielo. In: OMOTE, S.; OLIVEIRA, A. A. S.; CHACON, M. C.M. Ciência e Conhecimento em Educação Especial. São Carlos: Marquezine & Manzini: ABPEE, 125-134.

BRASIL. (1996). Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Câmara dos Deputados.

BRASIL. (2001). Conselho nacional de educação. Câmara de educação básica. Resolução n° 2, de 11 de setembro de 2001. Diretrizes Nacionais para Educação especial na educação básica. Brasília.

BRASIL. (2008). Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. MEC; SEEP.

BDTD. Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações. Banco de Teses e Dissertações. Recuperado em 11 dezembro, 2014, de http://bdtd.ibict.br/.

CAPES. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Banco de teses. Recuperado em 20 de novembro, 2014, de http://www.capes.gov.br/capes/portal/conteúdo/10/banco_teses.htm.

CAPES. (2014). Dados do Sistema Nacional de Pós-Graduação. Recuperado em 20 de dezembro, 2014, de http://conteudoweb.capes.gov.br/conteudoweb/ProjetoRelacaoCursosServlet?acao=pesquisarRegiao.

CARDOSO, A. O. G.; BECKER, M. A. A. (2014). Identificando adolescentes em situação de rua com potencial para altas habilidades/ superdotação. Rev. bras. educ. espec. [online]. v.20, n.4, p.605-614.

CHACON, M. C. M.; MARTINS, B. A. (2014). A produção acadêmico-científica do Brasil na área das altas habilidades/superdotação no período de 1987 a 2011. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 27, n. 49, mai./ago, 353-372.

CUPERTINO, C. M. B. (1998). Educação dos diferentes no Brasil: o caso da superdotação. Anais do 1o Congresso Internacional de Educação da Alta Inteligência, promovido pela Universidade da Provincia de Cuyo e pelo Instituto San Bernardo de Claraval. Mendoza, Argentina.

CUPERTINO, C. M. B. (2008). Um olhar para as altas habilidades: construindo caminhos. São Paulo: FDE.

DELOU, C. M. C. (2013). Transtorno de asperger com altas habilidades/superdotação: a dupla excepcionalidade no ensino superior. In: FLEITH, D. S.; ALENCAR, E. M. L. (Orgs.). Superdotados: trajetórias de desenvolvimento e realização. Curitiba: Juruá, 95-107.

EXTREMIANA, A. L. (2010). Niños superdotados. Madrid: Ediciones Pirámide.

FARIAS, E. S.; WECHSLER, S. M. (2014). Desafios na identificação de alunos intelectualmente dotados. In: VIRGOLIM, A. M. R.; KONKIEWITZ, E. C. (Org.). Altas Habilidades/Superdotação, inteligência e criatividade. Campinas: Editora Papirus, 335-350.

FERREIRA, A. S.; SOUZA, L. (2001). Representação social de escola segundo alunos superdotados. Arquivos brasileiros de psicologia, 53 (4), set. /dez, 31-52.

FLEITH, D. S. (2007). A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação. Orientação a professores. Brasília, DF: Ministério da Educação.

FREITAS, S. N. (2014). Altas Habilidades/ Superdotação em Pesquisa: Um olhar dirigido. In: OMOTE, S.; OLIVEIRA, A. A. S.; CHACON, M. C.M. Ciência e Conhecimento em Educação Especial. São Carlos: Marquezine & Manzini: ABPEE,125-134.

FREITAS, S. N.; PÉREZ, S. G. P. B. (2009). Estado do conhecimento na área de Altas Habilidades/Superdotação no Brasil: uma análise das últimas décadas. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, 32, Caxambu, 2009. Anais....ANPED.

GARCIA, I. I. I. (2015). Doble Excepcionalidad y diagnósticos asociados. In: REJANO, E. I. (Org.). Manual shining de atención a las altas capacidades intelectuales. Sevilla: Aconcagua Libros, 35-50.

GAUVRIT, N. (2015). Précocité intellectuelle: un champ de recherches miné. ANAE. Approche Neuropsychologique des Apprentissages chez l’Enfant, n. 132/133,1-6. Disponível em:https://www.researchgate.net/publication/280977890_Precocite_intellectuelle_un_champ_de_recherches_mine. Acesso em: 20 nov. 2015.

GUENTHER, Z. C. (2006). Capacidade e talento: um programa para a escola. São Paulo: EPU.

GUIMARÃES, T. G.; ALENCAR, E. M. L. S. (2013). Estudo de caso de um aluno com características de superdotação e transtorno de asperger. In: FLEITH, D. S.; ALENCAR, E. M. L. (Orgs.). Superdotados: trajetórias de desenvolvimento e realização. Curitiba: Juruá, 109-120.

LOUIS, J. M. (2004). Los niños precoces: su integración social, familiar y escolar. Madrid: Narcea Ediciones.

LOPES, J. F.; LENHARO, N. R.; CAPELLINI, V. L. M. F. (2014). Formação docente sobre altas habilidades/superdotação e a construção da escola inclusiva. Interciência & Sociedade, v. 3, n. 2, 40-48.

MACIEL, M. O. (2012). Alunos com altas habilidades/superdotação e o fenômeno bullying. Santa Maria: UFSM, 2012. 188 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

MAIA, C. M. (2000). Brincar, não brincar: eis a questão? Um estudo sobre o brincar do portador de altas habilidades. Dissertação (Mestrado em Educação). 120f. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

MARTINS, B. A.; CHACON, M. C. M. (2015). Precocidade e altas habilidades/superdotação: formação e suporte aos educadores. In: OLIVEIRA, J. P.; ANTOSZCZYSZEN, S.; MATA, S. P.; SORIANO, K. R. (Orgs.). Educação especial: desenvolvimento infantil e processos educativos. Curitiba, PR: CRV, 13-35.

MENDES, E. G. (2006) A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação Especial. v. 11, n. 33, 387-559.

MOSQUERA, J. J. M.; STOBÄUS, C. D. (2006). Vida adulta: superdotação e motivação. Revista Educação Especial, Santa Maria, n. 28, 233-246.

NAKANO, T. C. (2014). Avaliação psicométrica das habilidades cognitivas: relação entre inteligencia e criatividade. In: VIRGOLIM, A. M. R.; KONKIEWITZ, E. C. (Org.). Altas Habilidades/Superdotação, inteligência e criatividade. Campinas: Editora Papirus, 99-118.

NAKANO, T. C ; WECHSLER, S. M. (2007). Identificação e avaliação do talento criativo. In: FLEITH, D. S. Desenvolvimento de talentos e altas habilidades: orientação a pais e professores. Porto Alegre: Artmed, 87-98.

OMOTE, S. (2014). Produção Acadêmica em Educação Especial. In: OMOTE, S.; OLIVEIRA, A. A. S.; CHACON, M. C.M. Ciência e Conhecimento em Educação Especial. São Carlos: Marquezine & Manzini: ABPEE, 13-24.

OUROFINO, V. T. A. T.; FLEITH, D. S. (2005). Um estudo comparativo sobre a dupla excepcionalidade superdotação/hiperatividade. Avaliação Psicológica, Itatiba, v. 4, n. 2, 165-182.

PALUDO, K. I.; LOOS-SANT’ANA, H.; SANT’ANA-LOOS, R. S. (2013). A identidade da pessoa com altas habilidades/superdotação sob a ótica do sistema teórico da afetividade ampliada. Revista Eletrônica do Curso de Psicologia das Faculdade Dom Bosco. Paraná, n. 12, 1-17.

PANZERI, M. V. (2006). Los niños talentosos y superdotados una respuesta educativa: “enriquecimiento en la escuela común”. In: FREITAS, S. N. (org.). Educação e altas habilidades/superdotação: a ousadia de rever conceitos e práticas. Santa Maria: Ed. Da UFMS, 257-277.

PEDRO, K. M.; OGEDA, C. M. M.; CHACON, M. C. M. (2015). Iniciativas de atenção ao estudante com altas habilidades/superdotação: levantamento e análise Crítica Educativa, Sorocaba, v.1, n.2, 200-217. Disponível em: http://www.criticaeducativa.ufscar.br/index.php/criticaeducativa/article/view/43. Acesso em: 05 jun. 2016.

PÉREZ, S. G. P. B. (2003). Mitos e crenças sobre as pessoas com altas habilidades: alguns aspectos que dificultam o seu atendimento. Cadernos de Educação Especial, Santa Maria, v.2, n.22, 45-59.

PÉREZ, S. G. P. B.; FREITAS, S. N. (2009). Estado do conhecimento na área de Altas Habilidades/Superdotação no Brasil: uma análise das últimas décadas. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 32. 2009, Caxambu. Anais... . Caxambu: Anped. s/p. Recuperado em 10 de dezembro, 2014, de http://www.anped.org.br/reunioes/32ra/trabalho_gt_15.html.

PETERSON, J. S.; RAY, K. E. (2006). Bullying and the gifted: perpetrators, prevalence, and effects. Gifted Child Quarterly, Iowa, v. 50, n. 2, apr., 148-168.

REYES, M. T. F.; CHAPELA, M.T.S. (2010). Cómo detector y evaluar a los alumnus con altas capacidades intelectuales. Sevilla: Díada Editora.

RENDO, A. D.; VEJA, V. (2006). Una escuela en y para la diversidad: el entramado de la diversidad. Buenos Aires: AIQUE.

RENZULLI, J. S. (2014). A concepção de superdotação no modelo dos três anéis: Um modelo de desenvolvimento para a promoção da produtividade criativa. In: VIRGOLIM, A. M. R.; KONKIEWITZ, E. C. (Org.). Altas Habilidades/Superdotação, inteligência e criatividade. Campinas: Editora Papirus, 219-264.

REVOL, O.; BLÉANDONU, G. (2012). Enfants intellectuellement précoces: comment les dépister? Archives de pédiatrie, [S.l.], v. 19, 340-343.

SABATELLA, M. L. P. (2012). Expandir horizontes para compreender alunos superdotados. In: MOREIRA, L. C.; STOLTZ, T. (Org). Altas Habilidades/Superdotação, Talento, Dotação e Educação. Curitiba: Juruá,113-128.

SANTOS, M. (2012). A abordagem das políticas públicas para além da relação Estado e sociedade. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação da região Sul, 9, Caxias do Sul, 2012. Anais....ANPED SUL.

SILVA, P. V. C.; FLEITH, D. S. (2008). A influência da família no desenvolvimento da superdotação: a família e o indivíduo superdotado. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), v. 12, n. 2, jul./dez, 337-346.

SILVA, R. C. (1998). A falsa dicotomia qualitativo-quantitativo: paradigmas que informam nossas práticas de pesquisas. Minuta do capítulo do livro: Romanelli, G.; Biasoli-Alves,

Z. M. M. (orgs.) Diálogos metodológicos sobre prática de pesquisa. Ribeirão Preto (SP): Legis Summa.

SILVA, R. H. R.; GAMBOA, S. S. (2011). Análise epistemológica da pesquisa em educação especial: a construção de um instrumental de análise. Atos de pesquisa em Educação – PPGE/ME FURB, v. 6, n. 2, mai./ago, 373-402.

VIEGAS, L. T. (2005). Educação Especial no Rio Grande do Sul: uma análise da oferta e das políticas educacionais no período de 1988 a 2002. Dissertação (Mestrado em Educação). 119f. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

TERRASSIER, J. C. (2000). La disincronía de los ninõs precoces. In: BENITO MATE, Y. (Org.) Problemática del niño superdotado. Salamanca: Amarú Ediciones, 69-74.

WINNER, E. (1998). Crianças superdotadas: mitos e realidades. Porto Alegre: Artes Médicas.

Publicado
2016-09-15
Cómo citar
Pedro, K. M., Martins, B. A., Da Silva, R. C., & Ogeda, C. M. M. (2016). Panorama das produções acadêmicas em altas habilidades/superdotação. Revista Iberoamericana De Educación, 72(1). https://doi.org/10.35362/rie72128
Sección
Artículos del especial