Representações sociais de professoras sobre a língua portuguesa na escola

  • Rosely Ribeiro Lima Universidade Federal de Goiás, Brasil
  • Filomena Maria de Arruda Monteiro Universidade Federal de Mato Grosso, Brasil
  • Carlo Ralph de Musis Universidade Federal de Mato Grosso, Brasil
Palabras clave: Língua portuguesa; Representações sociais; Professoras

Resumen

A presente produção consiste em um trabalho que busca valorizar a profissão docente que se processa nos primeiros anos do ensino fundamental, a partir da identificação e de compreensões das representações sociais de professoras sobre o processo de ensino-aprendizagem da língua portuguesa. Concomitantemente, procura entendimentos acerca da prática educativa sob a luz de constructos das áreas de conhecimento Formação de Professores, Linguagem e da Teoria das Representações Sociais (TRS). Nesta pesquisa, buscou-se mostrar como as professoras significam seu trabalho; o que sabem sobre ensinar e aprender a língua portuguesa na escola; como possivelmente norteiam seus comportamentos; e onde ancoram estes entendimentos. Foram utilizadas duas técnicas de recolha de materiais textuais, evocações livres e entrevistas. As falas foram gravadas, transcritas e, assim, foram organizadas com o auxílio de dois programas computacionais, EVOC para as evocações livres e ALCESTE para as entrevistas realizadas. Ambos os materiais recolhidos foram analisados com as contribuições da TRS e de conhecimentos das áreas: Formação de Professores e Linguagem. Interpretamos que as professoras representam socialmente a prática de leitura como uma atividade que desencadeia todos os outros processos educativos. Essa representação segue ancorada naquelas proposições sociais que direcionam o ser humano para o mundo letrado, o mundo de conhecimento, de cultura e de crescimento humano, tudo que se diferente dele é inapropriado, excluído da realidade social

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

BAKHTIN, M. M., e Volochinov, V. N. (2006). Marxismo e Filosofia da Linguagem. (12a ed). (M. Lahud & Y. F. Vieira, Trad.). São Paulo, SP, BRA.: HUCITEC.

CAMARGO, B. V. (2005). ALCESTE: um programa informático de análise quantitativa dos dados textuais. In: Moreira, A. S. P. (Org.). Perspectivas teórico-metodológicas em representações sociais.João Pessoa, PB, BRA.: UFPB/Editora Universitária.

JAKOBSON, R. (2006). Prefácio. In: BAKHTIN, M. M., VOLOCHINOV, V. N. Marxismo e Filosofia da Linguagem.(12aed., pp. 10-11). (M. Lahud e Y. F. Vieira, Trad.). São Paulo, SP, BRA.: HUCITEC.

JODELET, D. (2001). Representações sociais: um domínio em expansão. In JODELET, D. As representações sociais.(L. Ulup, Trad.). Rio de Janeiro, RJ, BRA.: EdUERJ.

MARCELO, C. (2009). A identidade docente: constantes e desafios. Revista brasileira de pesquisa sobre formação de professores, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 109-128, ago-dez. Recuperado em 25 novembro 2011, de http://formacaodocente.autenticaeditora.com.br

MARCELO, C. (1999).Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto, Portugal: Porto editora.

MOSCOVICI, S. (2003). Representações sociais: investigações em Psicologia Social.(A. Cabral, Trad.). Petrópolis, RJ, BRA.: Vozes.

NÓVOA, A. (1995). Formação deprofessores e profissão docente. In NÓVOA, A. (Org). Os professores e sua formação. (2a ed., pp. 15-34). Lisboa, POR.: Dom Quixote.

OLIVEIRA, D. C. et al. (2005). Análise das evocações livres: uma técnica de análise estrutural das representações sociais. In Moreira, A. S. P. Perspectivas teórico-metodológicas em representações sociais. (pp. 573-603). João Pessoa, PB, BRA.: Editora Universitáriada UFPB.

SMOLKA, A. L. B. (1988). A criança na fase inicial da escrita: a alfabetização como processo discursivo.São Paulo, SP, BRA: Cortez/Editora da UNICAMP.

TARDIF, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. (7a ed.). Petrópolis, RJ, BRA: Vozes.

VYGOTSKY, L. S., e Luria, A. R. Leontiev, A. N. (2006). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem.(10a ed.).(M. P. Villalobos, Trad.). São Paulo, SP, BRA: Cone.

VYGOTSKY, L. S. (2007). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos superiores.(7a ed.). (J. C. Neto, L, S, M. Barreto e S. C. Afeche, Trad.). São Paulo, SP, BRA: Martins Fontes.
Publicado
2014-01-15
Cómo citar
Ribeiro Lima, R., Arruda Monteiro, F. M. de, & Ralph de Musis, C. (2014). Representações sociais de professoras sobre a língua portuguesa na escola. Revista Iberoamericana De Educación, 64(1), 1-9. https://doi.org/https://doi.org/10.35362/rie641345
Sección
- Innovaciones educativas