Educação infantil. Articulando a produção de desenhos com a educação ambiental em uma escola comunitária do sul do Brasil

  • Ana Gabriela da Silva Rocha
  • Simara Gheno
  • Fernanda Carneiro Leão Gonçalves Licenciada Ciências Biológicas. Mestre em Ensino de Ciências pelo PPGECIM/ULBRA de Canoas/RS, Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da ULBRA Canoas/RS.
  • Rossano André Dal-Farra Licenciado em Ciências Biológicas. Mestre em Zootecnia Melhoramento Genético Animal. Doutor em Educação. Professor adjunto com doutorado no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da ULBRA Canoas/RS.
Palabras clave: educación Infantil; interdisciplinaridad; dibujos; enseñanza de ciencias; educación ambiental., educação Infantil, interdisciplinaridade, desenhos, ensino de ciências, educação ambiental.

Resumen

a educación infantil constituye la base del proceso educativo; es importante para la formación del individuo puesto que sienta las bases de los conocimientos, valores y procesos fundamentales para que puedan interactuar con su entorno. Cuando este nivel formativo se lleva a cabo con el objetivo de desarrollar la integralidad del ser humano, aborda las distintas disciplinas que afectan al estudiante en su dimensión más amplia. En este contexto, la interdisciplinaridad deja de ser solo una estrategia didáctica y cobra importancia en la formación social del individuo en la medida en que el profesor adopta una nueva postura en relación con la enseñanza y el aprendizaje. Ante estas premisas, se considera que el desarrollo de prácticas educativas que integren la Educación Ambiental y las Artes Visuales permite trabajar sobre ámbitos del conocimiento muy amplios, tal y como se contextualiza en el presente estudio que aborda las acciones llevadas a cabo en una escuela comunitaria de la región metropolitana de Porto Alegre en el estado de Rio Grande do Sul. Durante seis meses, se desarrollaron actividades en las que el alumnado realizaba dibujos y observaban imágenes de la naturaleza. Los datos se analizaron a través de métodos mixtos que incluían la clasificación de los elementos presentes en los dibujos desde el punto de vista cualitativo, mientras que la dimensión cuantitativa se midió a través de métodos de estadística descriptiva de los dibujos y de la evaluación de los dibujos realizados por los niños y las niñas. El estudio arrojó resultados pertinentes relacionados con la caracterización de la concepción que tenía el alumnado de los espacios abiertos, tales como el patio de la escuela y las plazas, resultados que evocaban principalmente recuerdos de un lugar de ocio con juegos y un parque infantil. Asimismo, del estudio se desprenden algunas percepciones significativas de los niños relacionadas con los efectos antrópicos en la modificación de los paisajes y en la generación de contaminación.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Fernanda Carneiro Leão Gonçalves, Licenciada Ciências Biológicas. Mestre em Ensino de Ciências pelo PPGECIM/ULBRA de Canoas/RS, Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da ULBRA Canoas/RS.
Licenciada Ciências Biológicas. Mestre em Ensino de Ciências pelo PPGECIM/ULBRA de Canoas/RS, Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da ULBRA Canoas/RS.

Rossano André Dal-Farra, Licenciado em Ciências Biológicas. Mestre em Zootecnia Melhoramento Genético Animal. Doutor em Educação. Professor adjunto com doutorado no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da ULBRA Canoas/RS.
Licenciado em Ciências Biológicas. Mestre em Zootecnia Melhoramento Genético Animal. Doutor em Educação. Professor adjunto com doutorado no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da ULBRA Canoas/RS.

Citas

Abreu, M; Zanella, N. J. A. (2015). Percepção de Riscos de Inundações: estudo de caso no bairro Guabiraba, Marqanguape- Ceará. Revista OKARA: Geografia em debate, v.9, n.1, p.90-106.

Antonio, D. G., & Guimarães, S. T. L. (2005). Representações do meio ambiente através do desenho infantil: refletindo sobre os procedimentos interpretativos. Educação ambiental em Ação, Novo Hamburgo, (14).

Azevedo, M. A., & Guerra, V. N. A. (1989). Conseqüências psicológicas da vitimização de crianças e adolescentes. Crianças vitimizadas: a síndrome do pequeno poder. São Paulo: Iglu Editora.

Bastos, R. P. (2011). Representações sobre o Meio Ambiente de Alunos da Educação Básica de Palmas (TO). Ciência e Educação, v.17, n.2, p.353-364.

Bauer, M. & Gaskell, G. (Eds.). (2008). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. London: Sage.

Bogner, F et al. (2000). Risk-taking and Environmental Perception. The Environmentalist, v.20, p 49-62.

Brasil. (1998). Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF.

Brasil. (1999). Lei, N. o 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências.

Brasil. (2015a). Ministério da Educação. INEP. Brasília.

Brasil. (2015b). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasília.

Cardoso, A. E. C. & Junior, V. H. (2005). Acidentes por Lepidópteros (larvas e adultos de mariposas): estudo dos aspectos epidemiológicos, clínicos e terapêuticos Accidents caused by lepidopterans (moth larvae and adult): study on the epidemiological, clinical and therapeutic aspects. An Bras Dermatol, 80(6), 571-8. from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365-05962005000700002&lng=en&tlng=pt. Acesso em 21 de janeiro de 2016.

Carmo, P. S. (2000). Merleau-Ponty: uma introdução. São Paulo: Educ, 2000.

Chaiklin, S. (2011). A zona de desenvolvimento próximo na análise de Vigotski sobre aprendizagem e ensino. Psicologia em Estudo, v. 16, n. 4, 659-675.

Chand D. & Shrimali R. K. (2012). Comparative Study of Theories Related to Drawing in Pre-primary Students. International Journal on Arts, Management and Humanities, v. 1, n. 1: 93-99.

Clemént, P. (2006).Didactic transposition and the KVP model:conceptions as interactions between scientific knowledge, values and social practices. Proceedings ofESERA Summer School, IEC, Braga, Portugal, p.9-18.

Corrêa, M. S. et al (2004). Erucismo por Lonomia spp em Teresópolis, RJ, Brasil: relato de um caso provável e revisão da literatura. Rev Soc Bras Med Trop, v. 19, n. 5, 418-421.

Cresswell, J. W. & Clark, V. L. P. (2011). Designing and Conducting Mixed Methods Research. Thousand Oaks: SAGE Publications, 2nd edition.

Creswell, J. W. (2013). Research design: Qualitative, quantitative, and mixed methods approaches. Sage publications.

Dal-Farra, R. A., & Lopes, P. T. C. (2013). Métodos mistos de pesquisa em educação: pressupostos teóricos. Nuances: estudos sobre Educação, v. 24, n. 3, 67-80.

Davey, G. C. (1994). The” disgusting” spider: The role of disease and illness in the perpetuation of fear of spiders. Society & Animals, 2(1), 17-25. Disponível em: <http://psyeta.org/as/sa2.1/davey.html>. Acesso em: 08 de maio de 2001.

Fazenda, I. C. A. (1999). Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. Papirus editora. 4ª ed.

Ferreira, S. P. A. (1998). Dificuldades de compreensão de leitura: Análise comparativa da eficácia das estratégias de tomar notas e da imagem mental.Dificuldades de compreensão de leitura: Análise comparativa da eficácia das estratégias de tomar notas e da imagem mental.

Fiori, A. (2006). A Percepção Ambiental como instrument de Apoio de Programa de Educação Ambiental da Estação Ecológica de Jataí (Luiz Antônio, SP). Tese de Doutorado (Ecologia e Recursos Naturais), Universidade Federal de São Carlos.

Franklin, A. (1999). Animals and modern cultures: A sociology of human-animal relations in modernity. Sage.

Glaser, B. G., & Strauss, A. L. (2006). The discovery of grounded theory: Strategies for qualitative research. Transaction Publishers. New Brunswick (U.S.A.)

Goldberg, L. G., Yunes, M. A. M., Freitas, J. V. (2005). Psicologia em Estudo, Maringá, v. 10, n. 1, p. 97-106, jan./abr.

Harris, M. (1999). Bueno para comer – enigmas de alimentación y cultura. Madrid: Alianza editorial.

Hochberg, J. E. (1973). Percepção. Rio de Janeiro: Zahar.

Charmaz K. (2009). A construção da teoria fundamentada: guia prático para análise qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Laurent, E. (2001). Definition and Cultural Representation of the Category Mushi in Japanese Culture. Disponível em: <http://www.psyeta.org/sa/sa3.1/laurent.html>. Acesso em: 08 de maio de 2001.

Lopes, L. A.; Valduga, M.; Athaydes, Y.; Dal-Farra, R. A. (2014). As Concepções sobre Insetos no Ensino Fundamental em Escola Pública de Sapucaia do Sul, RS. Acta Scientiae, v.16, n.4, Ed. Especial.

Lucena, M. (2010). Percepção Ambiental por uma Comunidade Rural do Entorno de uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), semiárido Brasileiro. Dissertação de Mestrado (Desenvolvimento e Meio Ambiente), Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PRODEMA/UFRN).

Martinho, L. R., & Talamoni, J. L. B. (2007). Representações sobre meio ambiente de alunos da quarta série do ensino fundamental. Ciência & Educação, v. 13, n.1, 1-13.

Mendiburu, I. V. (2000). Aproximación a la educación infantil: características e implicaciones educativas. Revista Iberoamericana de educación, v. 22, 41-60.

Milagres, V. R; Sayago, D. A. (2012). Qualidade da Água e Doenças Relacionadas ao Saneamento Ambiental Inadequado: uma abordagem perceptiva com os moradores do distrito Taquaruçu, Plamas (TO), Brasil. Revista Brasileira de Gografia Física, v.6, p.1317-1332.

Miller, J. R. (2005). Biodiversity conservation and the extinction of experience. Trends in ecology & evolution, 20(8), 430-434.

Minayo, M. C. D. S. (2010). Disciplinaridade, interdisciplinaridade e complexidade (Disciplinarity, interdisciplinarity and complexity). Doi: 10.5212/Emancipacao. v. 10i2. 435-442. Emancipação, 10(2). Disponível em http://www.revistas2.uepg.br/index.php/emancipacao. Acesso em 21 de janeiro de 2016.

Martínez, M. (2015). Percepción Ambiental de una Comunidad Aledaña al río Pontezuelo, Mayarí, Noroeste de Cuba. Revista de Investigaciones Marinas, v.35, n.1, p.56-69.

Nicolau, M. L. M. (1994). Educação pré-escolar: fundamentos e didática. Ática.

Pedrini, A.; Costa, E. A., Ghilardi, N. (2010). Percepção Ambiental de Crianças e Pré-adolescentes em Vulnerabilidade Social para Projetos de Percepção Ambiental. Ciência e Educação, v.16 n1, p. 163-79.

Piaget, J. (1971). A formação do símbolo na criança, imagem, jogo e sonho, imagem e representação.

Piaget,J. & Inhelder, B. (1973). A psicologia da criança. São Paulo: Difusão Européia do livro.

Proença, M. de S., Oslaj, E. U. & Dal-Farra, R. A. (2014). As percepções de estudantes do ensino fundamental em relação às espécies exóticas e o efeito antrópico sobre o ambiente: Uma análise com base nos pressupostos da CTSA - Ciência-Tecnologia-Sociedade-Ambiente. Pesquisa em Educação Ambiental (Online), v. 9, p. 51-66.

Reigada, C., & Reis, M. F. D. C. T. (2004). Educação ambiental para crianças no ambiente urbano: uma proposta de pesquisa-ação. Ciência & Educação, v. 10, n. 2, 149-159.

Reigota, M. (2001). Meio ambiente e representações social (Vol. 41). São Paulo: Cortez.

Reigota, M. Rejeski, D. W. (1982). Children look at nature: environmental perception and education. The Journal of Environmental Education, 13(4), 27-40.

Rios, T. A. (2002). Compreender e ensinar. São Paulo: Cortez.

Rocha, A. G. da S., Gheno, S. R., Loureiro, J. & Dal-Farra, R. A. (2015). School backyard drawings by kindergarten students: An interdisciplinary experience in the south of Brazil. Creative Education, v. 6, p. 2136-2140.

Sauvé, L. (2005). Educação Ambiental: possibilidades e limitações.Educação e Pesquisa, São Paulo, 31(2), 317-322.

Stern, M. J.; Powell, R. B.; Hill, D. (2014). Environmental education program evaluation in the new millennium: what do we measure and what have we learned? Environmental Education Research, v. 20, n. 5, p. 581-611.

UNESCO. (2015). Shaping the Future We Want. UN Decade of Education for Sustainable Development (2005-2014) – Final report. 2014. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0023/002303/230302e.pdf.

Tuan, Y. (1980). Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: DIFEL.

Veiga, A., Amorim, E. & Blanco, M. (2005). Um retrato da presença da educação ambiental no ensino fundamental brasileiro: o percurso de um processo acelerado de expansão. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

Veloso, N. D. & Dal-Farra, R. A. (2015). Educação ambiental na formação inicial de professores de Matemática em Boa Vista/RR: temas Transversais e interdisciplinaridade. Tear: Revista de Educação, Ciência e Tecnologia,4(2).

Vygotsky, L. S. (1989). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

Whyte, A. V. T. (1977). Guidelines for Field Studies in Environmental Perception. UNESCO/ Paris, (MAB Technical Notes 5).

Publicado
2016-11-29
Cómo citar
Silva Rocha, A. G. da, Gheno, S., Leão Gonçalves, F. C., & Dal-Farra, R. A. (2016). Educação infantil. Articulando a produção de desenhos com a educação ambiental em uma escola comunitária do sul do Brasil. Revista Iberoamericana De Educación, 72, 183-216. https://doi.org/10.35362/rie72042
Sección
Artículos del monográfico