Reflexão a respeito da própria prática avaliativa: um estudo com a prova em fases

  • André Luis Trevisan Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)
  • Regina Luiza Corio de Buriasco Universidade Estadual de Londrina (UEL). Bolsista Produtividade – CNPq/

Resumen

Este artigo retrata o processo de compreensão de uma experiência avaliativa própria como prática de investigação. Toma como questão de pesquisa a investigação do modo como a utilização de um instrumento diferenciado de avaliação em aulas de Matemática (denominado prova em fases) possibilitou um repensar da própria prática avaliativa. Constituíram-se como procedimentos metodológicos da pesquisa a descrição detalhada das motivações, da constituição do problema de pesquisa e do contexto e dos participantes da pesquisa, elementos esses que possibilitaram uma análise sistemática empreendida sobre a própria prática. Ao retratar a adoção de uma atividade crítica perante as próprias ações enquanto professor-avaliador, o estudo aponta mecanismos de desenvolvimento de habilidades necessárias à formação de sujeitos avaliadores, por meio da reflexão nasobre a e sobre a reflexão na ação avaliativa.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

ALLAL, L. (1986). Estratégias de avaliação formativa: Concepções psicopedagógicas e modalidades de aplicação. Em: ALLAL, L.; CARDINET, J.; PERRENOUD, P. (Ed.). A avaliação num ensino diferenciado. Coimbra: Almedina.

ALVES-MAZZOTTI, A. J. (2004). O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira Thompson Learning.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barlow, M. (2006). Avaliação escolar: mitos e realidades. Porto Alegre: Artmed.

Bogdan, R.C.; Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação. Portugal: Ed. Porto.

Buriasco, R.L.C.de; Cyrino, M.C.C.T.; Soares, M.T.C. (2004). Manual para correção das provas com questões abertas de matemática AVA – 2002. Curitiba: SEED/CAADI.

Buriasco, R.L.C.de; Ferreira, P.E.A.; Ciani, A. B. (2009). Avaliação como Prática de Investigação (alguns apontamentos). BOLEMA: Boletim de Educação Matemática, Rio Claro/SP, v. 22.

De Lange, J. (1987). Mathematics, Insight and Meaning. Utrecht: OW &OC.

FERNANDES, D. (2008). Para uma teoria da avaliação no domínio das aprendizagens. Estudos em Avaliação Educacional, Rio de Janeiro, v. 19, n. 4, p.347 – 371.

Garrido, E.; Brzezinski, I. (2008). A reflexão e investigação da própria prática na formação inicial e continuada. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 8, n. 23, p. 153 – 171.

GAUTHIER, C (1998). Por uma teoria da Pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente, Unijuí.

Hadji, C. (1994). Avaliação, regras do jogo: das intenções aos instrumentos. Porto: Porto Editora.

PONTE, J. P. (2002) Investigar a nossa própria prática. GTI (Ed.). Reflectir e investigar sobre a prática profissional, Lisba, APM, p. 5 – 22.

Santos, L. (2002) Auto-avaliação regulada: porquê, o quê e como? IN: ABRANTES, P.; ARAÚJO, F. (Ed.). Avaliação das aprendizagens, das concepções às práticas, Lisboa, Ministério da Educação e Departamento da Educação Básica p. 75 – 84.

SCHÖN, D. (1995) Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e sua formação, Lisboa, Dom Quixote.

SCHÖN, D. (2000) Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem, Porto Alegre, Artes Médicas.

TARDIF, M. (2002) Saberes docentes e formação profissional, Petrópolis, Vozes.

TREVISAN, A.L. (2013). Prova em fases e um repensar da prática avaliativa em Matemática, Tese, Londrina, UEL.

Van Den Heuvel-Panhuizen, M. (1996). Assessment and Realistic Mathematics Education, Utrecht, CD-ß Press/Freudenthal Institute, Utrecht University.

Viola dos Santos, J. R.; Buriasco, R.L.C. de; Ciani, A.B. (2008) A Avaliação como Prática de Investigação e Análise da Produção Escrita em Matemática. Revista de Educação, n. 25, 35 – 45.

Publicado
2015-11-15
Cómo citar
Trevisan, A. L., & Corio de Buriasco, R. L. (2015). Reflexão a respeito da própria prática avaliativa: um estudo com a prova em fases. Revista Iberoamericana De Educación, 69(3), 27-41. https://doi.org/10.35362/rie693110
Sección
- Evaluación