A saga do (an)alfabetismo

  • Luísa Maria Serrano de Carvalho Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Portalegre, Portugal
Palabras clave: Analfabetismo; Estilos de Aprendizagem; Território

Resumen

Em Portugal, existem muitos indivíduos que são analfabetos. Por não terem aprendido a ler/escrever, possuem uma estrutura cerebral distinta dos indivíduos alfabetizados, desenvolvendo estratégias próprias de aprendizagem que se podem traduzir em estilos territoriais de aprendizagem

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

CANDEIAS, A. (2004, Coord.). Alfabetização e Escola em Portugal nos séculos XIX e XX. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

CARVALHO, L. (2011). A aprendizagem de indivíduos não-alfabetizados pertencentes a comunidades com elevados índices de analfabetismo. Dissertação (Doutoramento em Ciências da Educação) –Dep. de Educação e Pedagogia, Universidade de Évora, Évora.

CARVALHO, L. et al(2008).Analfabetismo: uma “simplicidade” complexa. CD de Actas do XV Colóquio da AFIRSE/AIPELF Secção Portuguesa. Lisboa: Universidade de Lisboa.

CASTRO-CALDAS, A. (2002). O Cérebro Analfabeto. A influência do conhecimento das regras da leitura e da escrita na função cerebral.Lisboa: Bial.

DUARTE, A. (2002). Aprendizagem, ensino e aconselhamento educacional: uma perspectiva cognitivo-motivacional. Porto: Porto Editora.

FERNÁNDEZ, F. (2006). As raízes históricas dos modelos actuais de educação de pessoas adultas. Caderno Sísifo, 2. Lisboa: Educa/Unidade de I&D de Ciências da Educação.

INE (2003). Antecedentes, Metodologia e Conceitos: Censos 2001: XIV Recenseamento Geral da População: IV Recenseamento Geral da Habitação/INE. Lisboa: INE.

MELO, A. & BENAVENTE, A. (1978). Educação Popular em Portugal (1971-1976).Colecção Educação e Documentos, 4. Lisboa: Livros Horizonte.

NICO, B. (2004). O Pano: um Exemplo de Aprendizagem em contexto comunitário em Nossa Senhora de Machede.In J. Nico; E. Costa; P. Mendes & L. Nico (Orgs). II Encontro Regional de Educação –Aprender no Alentejo. Évora: Universidade de Évora, pp.47-54.

NÓVOA, A. (2005).Evidentemente. Histórias da Educação.Porto: Edições Asa.

PESTANA, L. (1982). A Educação de Adultos em Portugal. O caso específico do Alentejo –Agentes e grandes métodos de educação de adultos.In M. Patrício (Coord.). Educação de Adultos no Alentejo. Contributo para a formação dos agentes educativos. Évora: Universidade de Évora, p.249-265.

RAMOS, R. (1998). Culturas da alfabetização e culturas do analfabetismo em Portugal: uma introdução à História da Alfabetização no Portugal contemporâneo. Análise Social, vol. XXIV (103-104), p.1067-1145.

VENTURA, M. (2001). Portugal. Geografia do Fatalismo. Lisboa: Editorial Notícias.

VYGOTSKY, L. (1998). A Formação Social da Mente. 6.ª Edição. São Paulo: Martins Fontes.
Publicado
2014-05-15
Cómo citar
Serrano de Carvalho, L. M. (2014). A saga do (an)alfabetismo. Revista Iberoamericana De Educación, 65(1), 1-9. https://doi.org/10.35362/rie651327
Sección
- Educación de adultos