Olho e vejo: a interdisciplinaridade superando desafios da patologização

  • Denize Aparecida Teixeira Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO, Brasil
  • Khaled Omar Mohamad El Tassa Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO, Brasil
Palabras clave: Psicopatologização; Interdisciplinaridade; Infância; Saúde Mental; Medicalização.

Resumen

A crítica à reprodução de crianças patologizadas vem ganhando força através de um crescente movimento, o qual busca evitar que questões psicossociais sejam reduzidas a um processo biológico. Sabe-se que grande parte dos encaminhamentos para avaliação psicológica tem origem no ambiente escolar, onde os professores encontram-se angustiados a procura de respostas para as dificuldades apresentadas por seus alunos, seja de ordem comportamental, seja de aprendizado. Esta pesquisa descritiva e bibliográfica tem como objetivo refletir sobre o número elevado de encaminhamentos para avaliação psicológica ao Serviço de Saúde Mental da Atenção Básica, de um município de pequeno porte, tendo a interdisciplinaridade como referência de intervenção profissional. A partir do estudo realizado se conclui que existem muitos casos em que psicopatologia e questões de ordem psicossocial encontram-se em uma linha tênue, exigindo avaliação cuidadosa, contudo muitos encaminhamentos apresentam inconsistência. Muitas vezes, quando o olhar não é ampliado para o contexto em que a criança está inserida, os resultados são generalizações e pseudo-diagnósticos, reproduzindo o processo da medicalização. Evidencia-se que o trabalho interdisciplinar produz uma rede de atendimento que prioriza o cuidado e a comunicação entre os serviços, mostra-se como recurso importante para uma prática responsável de cuidado integral.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Alves, R. (1994). A alegria de ensinar. 3ª ed. São Paulo: Poética Editora Ltda.

Brasil. Ministério da Saúde (2013). Saúde mental. Caderno de atenção básica, n. 34, Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde (2013). Projeto «Caminhos do Cuidado» - Formação em saúde mental (crack, álcool e outras drogas) para agentes comunitários de saúde e auxiliares/técnicos em enfermagem da Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde.

Beger, P; Luckmann, T (1988). A Construção Social da Realidade. Tratado de Sociologia do Conhecimento. 24ª ed. Petrópolis: Vozes.

Caliman, L. V. (2010). Notas sobre a história oficial do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade: TDAH. Brasília: Psicologia: Ciência e Profissão, n. 1, ano 30, p. 46-61. Recuperado em 25 junho, 2014 de http://www.scielo.br/pdf/pcp/v30n1/v30n1a05.pdf

Collares, C.A.L.; Moysés, M. A. A. (1996). Preconceitos no cotidiano escolar: ensino e medicalização. São Paulo: Cortez/Unicamp.

Cruz, M.A.S. et al. (2010). Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doença de indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Fazenda, I. C. A. (1994). Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 4 ª ed. Campinas: Papirus.

Fazenda, I. C. A. (Org.). (2001) Dicionário em construção: interdisciplinaridade. 2ª ed. São Paulo: Cortez.

Fazenda, I. C. A. (2005). A Formação do Professor Pesquisador -30 anos de pesquisa. Revista e-Curriculum, v.1, PUC. SP. Recuperado em 25 junho, 2014 de http://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/3111

Fazenda I. C. A, (Org.); Manolo, V. (Org); Arlete, S. (Org); Leomar K. (Org) & Luiza P. (Org). (2006). Interdisciplinaridade na educação brasileira: 20 anos. São Paulo: CRIARP.

Lancetti, A. (2010). Saúde Mental, Atenção Primária Promoção da Saúde. Portal da Saúde. Recuperado em: 25 junho, 2014, de .

Machado, A. M. (2000). Avaliação psicológica na educação: mudanças necessárias. Tanamachi, E. R.; Rocha, M. L.; Proença M. P. R. (Orgs.). Psicologia e Educação: desafios teórico práticos (pp. 143:167). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Mazzotti, A. J. A. (2003). Fracasso Escolar: representações de professores e de alunos repetentes. Anais da 26ª Reunião Anual da ANPEd (pp.1-17). Poços de Caldas: local onde foi realizado o encontro.

Morin, E. (2002). Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. 5ª ed. São Paulo: Cortez.

Morin, E. (2004). A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento; tradução Eloá Jacobina. – 8ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Organização Mundial da Saúde. (2001). Salude mental: nuevos conecimientos, nuevas esperanzas. Informe sobre la salud en el mundo Ginebra: OMS.

Patto, M. H. S. (1999). A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Pereira, M. E. C. (2009). Kraepelin e a questão da manifestação clínica das doenças mentais. Rev. latinoam. psicopatol. fundam. [online], v.12 n.1, pp. 161-166.

Souza, M. P. R. (2000). A queixa escolar na formação de psicólogos: desafios e perspectivas. Psicologia e Educação: desafios teórico-práticos (pp. 105:142). São Paulo: Casa do Psicólogo.
Publicado
2014-09-01
Cómo citar
Teixeira, D. A., & Mohamad El Tassa, K. O. (2014). Olho e vejo: a interdisciplinaridade superando desafios da patologização. Revista Iberoamericana De Educación, 66, 31-44. https://doi.org/https://doi.org/10.35362/rie660376