Desempeño iberoamericano en PISA 2012, 2015 y 2018

Palabras clave: evaluaciones a gran escala; Iberoamericano; Pisa

Resumen

Los resultados de las evaluaciones a gran escala son fundamentales para las políticas educativas de todos los países, particularmente en lo relativo al aprendizaje de los estudiantes. Este artículo de carácter documental tiene como objetivo analizar los indicadores de los países de la Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura (OEI) en las ediciones de 2012, 2015 y 2018 del Programa Internacional de Evaluación de Estudiantes (PISA), así como presentar y comparar su evolución histórica en relación con los principales exponentes del programa. Los resultados obtenidos indican que los países de la OEI evaluados por Pisa en 2012, 2015 y 2018 pueden clasificarse en dos grupos: el primero, formado por Portugal y España, que ocupa y mantiene, en las tres ediciones, una posición intermedia entre todos los países evaluados, con puntuaciones en los tres ámbitos evaluados (Lectura, Ciencias, Matemáticas) de un máximo de 500 puntos. El segundo grupo, formado por los demás países de la OEI, ocupa alternando, en las tres ediciones, los últimos veinte puestos entre todos los países evaluados, con una puntuación máxima de 475 puntos en las tres áreas evaluadas. Independientemente del grupo, los países de la OEI muestran en 2018 un distanciamiento mayor con respecto al resto de países evaluados en comparación con 2012

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Luiz Carlos Gesqui, Universidade de Araraquara (UNIARA) / Fundação Nacional de Desenvolvimento do Ensino Superior Particular (Funadesp), Brasil

 Professor titular (Programa de Pós-graduação em Processos de Ensino, Gestão e Inovação na Universidade de Araraquara (UNIARA) Brasil, e pesquisador na Fundação Nacional de Desenvolvimento do Ensino Superior Particular (FUNADESP) Brasil.

Citas

Bacchetto, J. G. (2016). O Pisa e o custo da repetência no Fundeb. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 24(91), 424-444. Recuperado de https://bit.ly/2F9p4Ds.

Bauer, A. (2019). Avaliação de redes de ensino e gestão educacional: aportes teóricos. Educação e Realidade, 44(1), 1-28. Recuperado de https://bit.ly/2HWqZfr.

Brasil (2014). Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União. Recuperado de https://bit.ly/3liYcQN.

Carvalho, L. M. (2016). Intensificação e sofisticação dos processos da regulação transacional da educação: o caso do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes. Educação & Sociedade, 37(136), 669-683. Recuperado de https://bit.ly/2SumzOS.

Cosso, D. C.M. (2013). A organização do trabalho pedagógico em uma escola pública com alto IDESP. [dissertação de mestrado. Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP]. Recuperado de https://bit.ly/3dfcdMJ.

Franco, F. M. (2018). A qualidade da educação pública como um direito: do estabelecimento à sua efetivação. [dissertação de mestrado, Universidade de Araraquara – UNIARA]. Recuperado de https://bit.ly/3lig0vf.

Gorur, R. (2016). As “descrições finas” das análises secundárias do PISA. Educação & Sociedade, 37(163), 647-668. Recuperado de https://bit.ly/3d7yjAr.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2013a, março). Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa). Recuperado de https://bit.ly/36ArhTx.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2013b, março). Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa). Recuperado de https://bit.ly/3lig521.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2013c, março). Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa). Recuperado de https://bit.ly/2HRM9vd.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2020a, fevereiro). Estudos Regionais Comparativos e Explicativos (Erce). Recuperado de https://bit.ly/3lmN4Cf.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2020b, fevereiro). Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa). Recuperado de https://bit.ly/3iHqCCs.

Klein, R. (2011). Uma re-análise dos resultados do PISA: problemas de comparabilidade. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 19(73), 717-768. Recuperado de https://bit.ly/2GtGFGM.

Lingard, B. (2016). PISA: fundamentos para participar e acolhimento político. Educação & Sociedade, 37(136), 609-627. Recuperado de https://bit.ly/3nkusVr.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. (2019a). A promessa das avaliações de aprendizagem em larga escala: reconhecer os limites para desbloquear as oportunidades. Recuperado de https://bit.ly/36B3WBe.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (2019b). UNESCO alerta que países estão fora do caminho para atingir metas de educação até 2030. Recuperado de https://bit.ly/2GCoUVs.

Organização de Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura. (2020). O que é a OEI?. Recuperado de https://bit.ly/3iCEyNTi.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (2020a, março). Programa Internacional de Avaliação de Estudantes. Recuperado de https://www.oecd.org/pisa/.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (2020b, março). Programa Internacional de Avaliação de Estudantes. Recuperado de https://bit.ly/36IigIp.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (2020c, março). Programa Internacional de Avaliação de Estudantes. Recuperado de https://bit.ly/3jAK05l.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (2020d, março). Programa Internacional de Avaliação de Estudantes. Recuperado de https://bit.ly/3iA1fSV.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (2020e, março). Programa Internacional de Avaliação de Estudantes. Recuperado de https://bit.ly/2GmblKc.

Pinto. J.; Silva, J. C. e Bixirão Neto, T. (2016). Fatores influenciadores dos resultados de matemática de estudantes portugueses e brasileiros no PISA: revisão integrativa. Ciência & Educação (Bauru), 22(4), 837-853. Recuperado de https://bit.ly/3ljBIiI.

Pizarro, M. V. e Lopes Junior, J. (2017). Os sistemas de avaliação em larga escala e seus resultados: o PISA e suas possíveis implicações para o ensino de Ciências. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 19, 1-24. Recuperado de https://bit.ly/36FtU6C.

Salokangas, M e Kauko, J. (2015). Tomar de empréstimo o sucesso finlandês no PISA? Algumas reflexões críticas, da perspectiva de quem faz este empréstimo. Educação e Pesquisa, 41 (esp.), 1353-1366. Recuperado de https://bit.ly/2GuITpl.

Vaillant, D e Zidan, E. R. (2016). Práticas de liderança para a aprendizagem na América Latina: uma análise do PISA 2012. Ensaio: Avaliação e Políticas em Educação, 24(91), 253-274. Recuperado de https://bit.ly/3nllrLV.

Vicino, M. B. (2013). Programa Bonificação por Resultados: opiniões de Professores Coordenadores da rede de ensino do Estado de São Paulo. [Dissertação de Mestrado, Universidade Cidade de São Paulo – UNICID]. Recuperado de https://bit.ly/3d2RlYM.

Villani, M. e Oliveira, D. A. (2018). Avaliação Nacional e internacional no Brasil: os vínculos entre o Pisa e o IDEB. Educação & Realidade, 43(4), 1343-1362. Recuperado de https://bit.ly/3nm9ENc.

Cómo citar

Gesqui, L. C. (2020). Desempeño iberoamericano en PISA 2012, 2015 y 2018. Revista Iberoamericana De Educación, 84(1), 67-83. https://doi.org/10.35362/rie8413901
Publicado
2020-11-11
Sección
Monográfico. Nuevos datos, nuevos retos: Iberoamérica en las últimas evaluacione