Videoclases accesibles sobre la temática del agua como recurso didáctico para el fomento de la educación científica

Palabras clave: Enseñanza de la biología inclusiva, Accesibilidad, Educación para sordos

Resumen

Los centros educativos tienen el reto de promover una gestión didáctico-pedagógica que promueva la inclusión de los estudiantes con discapacidad, que asegure el acceso equitativo a los contenidos curriculares. Este trabajo desarrolló una metodología de producción de videoclases accesibles sobre la temática del agua, utilizando experimentos como subsidio didáctico a los alumnos para contextualizar el proceso de producción de conocimiento científico. Se seleccionaron y se realizaron los experimentos afines al asunto con los estudiantes para comprobar las principales dudas sobre el conocimiento científico asociado y la manipulación de los materiales. Se generó un repositorio de videograbaciones con traducción a la lengua de signos. Profesionales especializados en la educación de personas sordas y profesores de ciencias hicieron una evaluación de la calidad didáctica y accesibilidad de estas videoclases (n = 5, con un total de 83 minutos de grabación). Teniendo en cuenta el aspecto divulgativo, se implementaron en estos vídeos, un código digital que, una vez activado, genera un cuestionario para comprobar el aprendizaje, además del guion para replicar los experimentos. Se concluye que este artículo puede contribuir a la promoción de la Educación Científica Inclusiva, considerando su metodología de producción centrada en los alumnos como protagonistas.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Roberto Irineu da Silva, Colégio Pedro II, Brasil

Professor Efetivo de Biologia do Colégio Pedro II. Possui doutorado em Ciências Biológicas (Biofísica) pelo Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho (UFRJ), mestrado em Ciências Biológicas (Biofísica) pelo IBCCF-UFRJ, graduação em Ciências Biológicas (Licenciatura) pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2003), graduação em Ciências Biológicas modalidade bacharelado, pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2001). Tem experiência na área de Biofísica, com ênfase em Biofísica Molecular, atuando principalmente nos seguintes temas: reparo de DNA, quimioterapia, polimorfismos (SNP), proteoma e leucemia linfóide aguda. Coordenador do Núcleo de produção de Material Didático e Difusão em Biociências (NUPROMADI-BIO) com foco em pesquisas na área de desenvolvimento de métodos e recursos de acessibilidade para efetivação da inclusão de alunos com necessidades educacionais específicas. Vencedor do Prêmio Shell de Educação Científica, 2019.

Luciana da Silva Goudinho, Universidade Federal Fluminense (UFF), Brasil

Doutoranda do Programa de Ciências, Inclusão e Tecnologia da Universidade Federal Fluminense. Mestre em Estudos de Literatura pela UFF com pesquisa voltada para o estudo de Histórias em Quadrinhos e o Romance Policial Brasileiro. Graduada em Letras - Português/Literatura com pesquisa na área da Semiótica pela Universidade Federal Fluminense. Atualmente Professora Bilíngue concursada na Prefeitura de Niterói, desenvolvendo materiais adaptados em Libras para alunos das séries iniciais e Professora de Sala de Recursos Multifuncionais concursada na Rede Municipal do Rio de Janeiro, com foco na produção de materiais adaptados para alunos autistas e com dificuldades de aprendizagem. Certificada pelo PROLIBRAS para atuar como Tradutora Intérprete e Professora de Libras. Pesquisas e estudos voltados para o Ensino da Língua Portuguesa para Surdos e no Ensino de Libras para Classes de Ouvintes. Colaboradora do Projeto Galileu Galilei - Produção de materiais didáticos adaptados. Atualmente cursando Pós-Graduação em Tradução/Interpretação e Docência de LIBRAS pela Uníntese. Aluna do curso de extensão "Pensando a escrita do Surdo: descrição, demandas e propostas pedagógicas", promovido pelo Núcleo de Estudos sobre Interlíngua e Surdez (NEIS-UFRJ)

Agne de Albuquerque França Ribeiro, Colégio Pedro II

ós-graduada em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva no Instituto Federal Triângulo Mineiro, Pós-graduanda em Atendimento Educacional Especializado pelo IFNMG e Pós-graduanda em LIBRAS-TILS/Tradução e Interpretação de Língua Brasileira de Sinais; Graduanda em Pedagogia Bilíngue no Instituto Nacional de Educação de Surdos pelo INES, Graduada em Processamento de Dados pela FIJ. Atuando na área da Educação como Intérprete de Libras do Município e do Estado do Rio de Janeiro desde de 2012, além de ter atuado no Colégio Pedro II por dois anos, atualmente atuo na Fundação CECIERJ. Além de atuar como intérprete de Libras em diversos eventos, tais como: Olimpíadas e Paralimpíadas Rio 2016, Escola de Gente, entre outros, e ainda em empresas diversas, como: P&G, DHL, Sodexo, CIEE, Cesgranrio entre outras. Experiência como Instrutora de Libras em diversas instituições particulares, aulas particulares e em grupo pela AF LIBRAS

Jaderson Pires dos Santos Vasconcelos, Universidade Federal Fluminense (UFF), Brasil

Mestre em Diversidade e Inclusão da UFF. (2020). Pedagogo Bilíngue formado pelo Instituto Nacional de Educação de Surdos - INES (2017). Aprovado pelo PROLIBRAS (Proficiência em tradução e Interpretação em Língua de Sinais e Português). Atualmente é tradutor e intérprete de Libras da Prefeitura Municipal de Angra dos Reis - PMAR -, Professor de Libras no Curso de Pedagogia da Faculdade Integrada Maria Thereza, professor e tradutor e intérprete de LIBRAS no SENAC/RJ - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC). Tem experiência na área de Educação de surdos, com ênfase no Bilinguísmo - LIBRAS, atuando principalmente no seguinte tema: tradução, interpretação e ensino em diversos contextos (cultural, empresarial, jurídico e educacional). Tem experiência na produção técnica acadêmica de editais de seleção a nível de Mestrado e Doutorado (CMPDI e PGCTIn respectivamente)

Sérgio Crespo Coelho da Silva Pinto, Universidade Federal Fluminense (UFF), Brasil

Professor Adjunto na Universidade Federal Fluminense UFF. Vice Coordenador do Programa de Doutorado em Ciência, Tecnologia e Inclusão da UFF. Líder do grupo de pesquisa CNPq: Tecnologias Computacionais no ensino e aprendizagem na ótica da Diversidade, Inclusão e Inovação. É professor convidado no Programa de Mestrado em TICs na Universidade Tecnológica do Panamá. Possui graduação em Tecnólogo Em Processamento de Dados pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1987), Mestrado em Engenharia de Sistemas e Computação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - COPPE-Sistemas (1995) e Doutorado em Informática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2000). Atuou como professor Titular da Universidade do Vale do Rio dos Sinos de 1990 a 2013, - Fez parte do comitê editorial da Revista Brasileira de Informática na Educação (1414-5685) . Passou de Abril de 2013 a Novembro de 2013 como Professor Visitante no DCC-UFMG. Tem experiência na área de Ciência da Computação, com ênfase em Engenharia de Software, atuando principalmente nos seguintes temas: Diversidade e Inclusão, Educação a Distância, Informática na Educação e engenharia de software aplicada a educação

Ruth Maria Mariani Braz, Universidade Federal Fluminense

Doctor en Ciencias y Biotecnología por la Universidade Federal Fluminense. Especialización Lato Sensu en Educación Física Especial en el Área de Discapacidad Mental (Universidad Castelo Branco). Soy Licenciado en Educación Física por la Universidad Federal Rural de Río de Janeiro. Soy docente docente I - Secretaria de Educación del Estado de Rio de Janeiro, actualmente docente en la Maestría Profesional en Diversidad e Inclusión como docente permanente. Actué como coordinadora ejecutiva del proyecto Internacional Spread The Sign en Brasil. Desarrollo investigaciones relacionadas con didáctica, Educación Inclusiva, tecnología asistencial, confección de materiales adaptados con el fin de ayudar a los estudiantes con discapacidad en las clases regulares de docencia, filosofía que defiendo y que actualmente es adoptada en las instituciones en las que trabajo. Coordino el proyecto Galileu Galilei, tengo experiencia en el área de Educación, con énfasis en Educación Integrada, actuando principalmente en los siguientes temas: formación docente, políticas públicas, diversidad, sensibilización, adaptación de materiales, tecnologías y juego.

Citas

Alves, C. B., Ferreira, J. de P. & Damázio, M. M. (2010). A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar Abordagem Bilíngue na Escolarização de Pessoas com Surdez. Brasília: Ministério da Educação/Universidade Federal do Ceará. Disponível em https://bit.ly/2TpIAmi

Alves, S.M. (2016). Desenvolvimento humano, cognição e educação: reflexões sob o enfoque histórico-cultural. Revista Reflexão e Ação, 24(2), 197-214. http://dx.doi.org/10.17058/rea.v24i2.4617

Aragón, R. (2016). Interação e mediação no contexto das arquiteturas pedagógicas para a aprendizagem em rede. Revista de educação pública, 25(59), 261-275. Disponível em https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/150441

Bencze, J. L., Lyn, C., Mei-Hung, C., Reinders, D., Sonya, M.; Christina, S.; Joseph, K. R.; Namsoo, S.; Kyunghee, C.; Hyunju, L.; Sung-Won, K. (2013). Globalization And Science Education. Cosmos, 8(2), 139-152. https://doi.org/10.1142/S021960771250005X

Cachapuz, A. C., Pérez, D. G. P., Carvalho, A. M. & Praia, J. (2005). A necessária renovação do ensino das ciências. São Paulo: Cortez. Disponível em: https://bityli.com/cMx9D .

Cunha, R. B. (2017). Alfabetização científica ou letramento científico? interesses envolvidos nas interpretações da noção de scientific literacy. Revista Brasileira de Educação, 22(68). http://dx.doi.org/10.1590/s1413-24782017226809 .

Da Silva, R.I., Xavier, A.L.C., dos Santos, A. L. T. L. & Braz, R. M. M. (2020). Desenvolvimento de sequência didática sobre o tema membrana plasmática como recurso didático-metodológico para promoção de aprendizagem de alunos cegos: Introdução. Vivências, 16(31), 269-287. https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i31.255.

Lima D. B. de & Garcia R. N. (2011). Uma investigação sobre a importância das aulas práticas de Biologia no Ensino Médio. Cadernos do Aplicação, 24(1). https://doi.org/10.22456/2595-4377.22262.

Mariani, R. (2014). Libras - A construção e a divulgação dos conceitos científicos sobre o ensino de ciências e biotecnologia: integração internacional de um dicionário científico online; Tese de doutorado do curso de Ciências e Biotecnologia. Universidade Federal Fluminense. Niterói, pp.1-136. Disponível em https://bit.ly/3exIPmo

Mota, A. R. & Rosa, C. T. W. da (2018). Ensaio sobre metodologias ativas: reflexões e propostas. Revista Espaço Pedagógico, 25( 2), 261-276. https://doi.org/10.5335/rep.v25i2.8161.

Paiva, J. C. M. & Bendassolli, P. (2017). Políticas sociais de inclusão social para pessoas com deficiência. Psicologia em Revista, 23(1), 418-429. http://dx.doi.org/10.5752/P.1678-9563.2017v23n1p418-429

Prince, M. (2011). Ensino de Biologia para Surdos: Conquistas e desafios da atualidade. Trabalho de Conclusão de Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas. Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo. Disponível em: https://gg.gg/upc.5o .

Santos, W. L. P. (2007). Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista brasileira de Educação, 12(36), 474-492. https://doi.org/10.1590/S141324782007000300007 .

Silva, L. V. & Bego, A. M. (2018). Levantamento Bibliográfico sobre educação especial e ensino de ciências no Brasil. Rev. Bras. Ed. Esp., 24(3), 343-358. https://doi.org/10.1590/S1413-65382418000300003

Villanueva, M., Taylor, J., Therrien, W. & Hand, B. (2012). Science education for students with special needs. Studies in Science Education, 48. 187-215. https://doi.org/10.1080/14703297.2012.737117

Teixeira, P. & Valle, S. (1996). Biossegurança. Uma abordagem multidisciplinar. FIOCRUZ, Rio de Janeiro. Disponível em: https://bit.ly/3hI44nQ.

UNESCO (1994). The Salamanca statement and framework for action on special needs education. Paris: United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization (UNESCO). Disponível em https://bit.ly/3kDvIEa

Zancan, G.T. (2000). Educação científica uma prioridade nacional. Perspectiva, 14(1). https://doi.org/10.1590/S010288392000000300002

Cómo citar

Irineu da Silva, R., da Silva Goudinho, L., de Albuquerque França Ribeiro, A., Pires dos Santos Vasconcelos, J., Coelho da Silva Pinto, S. C., & Mariani Braz, R. M. (2021). Videoclases accesibles sobre la temática del agua como recurso didáctico para el fomento de la educación científica. Revista Iberoamericana De Educación, 87(1), 95-113. https://doi.org/10.35362/rie8714528
Publicado
2021-09-09
Sección
Educación Científica. Nuevas metodologías para una sociedad cambiante
Bookmark and Share