Estrátegias de autorregulação da aprendizagem: contribuições para a formação de estudantes de educação física

  • Luciana Toaldo Gentilini Avila Universidade Federal de Pelotas, Brasil.
  • Lourdes Maria Bragagnolo Frison
  • Ana Margarida Veiga Simão Faculdade de Psicologia, Universidade de Lisboa, Portugal.
Palabras clave: Estratégias de aprendizagem, autorregulação da aprendizagem, formação inicial de professores, estudantes de educação física.

Resumen

No atual século, vive-se o aparecimento de exigências educacionais que criam a necessidade do professor ensinar aos estudantes estratégias que lhe permitam aprender de forma eficaz os conteúdos escolares. Essas exigências, ao nível de conhecimentos e aprendizagens, estabelecem um desafio ao processo educativo, tanto para quem ensina como para quem aprende. No entanto, para que os professores possam dar oportunidade aos seus alunos aprenderem diferentes estratégias, é preciso que estes saibam utilizá-las durante as suas aprendizagens. Dessa forma, o objetivo desta pesquisa, de cunho exploratório, foi de investigar se estudantes do último ano de um curso de formação de professores em Educação Física, utilizam estratégias autorregulatórias para aprender os conteúdos que o curso oferece. Foi aplicado a 33 estudantes o Questionário de Conhecimentos das Estratégias de Autorregulação e após a análise dos dados, verificou-se que 17 estudantes responderam que utilizam um pouco mais da metade das estratégias presentes no questionário. Infere-se que há necessidade de mais investimentos na formação dos futuros professores, buscando novas estratégias que possibilitem a esses aprenderem a autorregular os seus processos de aprendizagem, uma vez que, dessa forma, poderão utilizar diferentes métodos de ensino para qualificar a aprendizagem dos conteúdos pelos escolares.
Palavras-chave: Estratégias de aprendizagem; autorregulação da aprendizagem; formação inicial de professores; estudantes de educação física.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Alberto Aimaretti, E. S. (2015). Formación de docentes para los niveles inicial y primario. Revista Ibero-americana de Educação, 67(2), 131-142. http://www.rieoei.org/deloslectores/6771Alberto.pdf

Betti, M. (1991). Educação Física e Sociedade. São Paulo: Editora Movimento.

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (2013). Estabelece as diretrizes e bases para a educação nacional (8ªed). Brasília: Edições Câmara.

Resolução n.7, de 31 de março de 2004. (2004). Institui as diretrizes curriculares nacionais para os cursos de graduação em educação física, em nível superior de graduação plena. Recuperado em 1 de junho de 2012, de http://www.cref6.org.br/arquivos/leg16.pdf.

Costa, M. D. (2007). Procrastinação, auto-regulação e gênero. Dissertação de mestrado, Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho, Portugal.

Dias, P. D., & Veiga Simão, A. M. (2007). O conhecimento estratégico e a auto-regulação do aprendente. In A. M. Veiga Simão, A. Lopes da Silva, & I. Sá (Orgs.). Auto-regulação da aprendizagem (pp.93-130). Portugal: EDUCA.

Lopes da Silva, A. (2004). Auto-regulação da aprendizagem: a demarcação de um campo de estudo e de intervenção. In A. Lopes da Silva, A. M. Duarte, I. Sá, A. M. & Veiga Simão (Orgs.). Aprendizagem auto-regulada pelo estudante: perspectivas psicológicas e educacionais (pp.17-39). Porto: Porto Editora.

Monteiro, A. P. (2009). O estudo do (in) sucesso a matemática no 6º e 9º ano de escolaridade: autorregulação e procrastinação. Dissertação de mestrado, Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho, Portugal.

Panadero, E., & Alonso-Tapia. (2014). Cómo autorregulan nuestros alumnos? Revisión del modelo cíclico de Zimmerman sobre autorregulación del aprendizaje. Anales de Psicología, 30(4), 450-462.

Piovesan, A., & Temporini, E. R. (1995). Pesquisa exploratória: procedimentos metodológicos para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Revista de Saúde Pública, 29(4), 318-325.

Puustinen, M., & Pulkkinen, L. (2001). Models of self-regulated learning: a review. Scandinavian Journal of Education Research, 45(3), 269-287.

Rosário, P., Mourão, R.; Nuñez, J. C., González-Pienda, J. A., Solano, P., & Valle, A. (2007). Eficacia de un programa instruccional para la mejora de procesos y estrategias de aprendizaje em la enseñanza superior. Psicothema, 19(3), 353-358.

Rosário, P., Nuñez, J. C., & González-Pienda, J. A. (2006). Cartas do Gervásio o seu umbigo: Comprometer-se com o estudar na Educação Superior. Campinas: Almerinda S.A.

Rosário, P., Veiga Simão, A. M., Chalita, E., & Grácio, L. (2008). Auto-regular o aprender que espreita nas salas de aula. In M. Abrahão, M. (Org.), Professores e alunos: aprendizagens significativas em comunidades de prática educativa (pp.115-132). Porto Alegre: PUCRS.

Sampaio, R., Polydoro, S., & Rosário, P. (2012). Autorregulação da aprendizagem e a procrastinação acadêmica em estudantes universitários. Cadernos de Educação, 42, 119-142.

Schunk, D. H. (2001). Social Cognitive Theory and self-regulated learning. In B. J. Zimmerman, & D. H. Schunk. Self-regulated learning and academic achievement (pp.125-151). New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates.

Schunk, D. H., & Zimmerman, B. J. (1998). Conclusions and future directions for academic interventions. In D. H. Schunk, & B. J. Zimmerman. Self-regulated learning: from teaching to self-reflective practice (pp. 225-235) New York: The Guilford Press.

Serafim, T., & Boruchovitch, E. (2010). O pedir ajuda: concepções dos estudantes do ensino fundamental. Estudos interdisciplinares em Psicologia, 1(2), 159-171.

Veiga Simão, A. M. (2004). O conhecimento estratégico e a auto-regulação da aprendizagem: implicações em contexto escolar. In A. Lopes da Silva, A. M. Duarte, I. Sá, & A. M. Veiga Simão (Orgs.). Aprendizagem auto-regulada pelo estudante: perspectivas psicológicas e educacionais (pp.77-94). Porto: Porto Editora.

Veiga Simão, A. M. (2005). Estratégias de aprendizagem e aconselhamento educacional. In G. Miranda & S. Bahia (Orgs.). Psicologia da educação: Temas de desenvolvimento, aprendizagem e ensino (pp.263-287). Lisboa: Relógio d’água Editores.

Veiga Simão, A. M. (2006). Auto-regulação da aprendizagem: um desafio para a formação de professores. In R. Bizarro, & F. Braga (Orgs.). Formação de professores de línguas estrangeiras: reflexões, estudos e experiências (pp.192-206). Porto: Porto Editora.

Veiga Simão, A. M., & Frison, L. M. (2013). Autorregulação da aprendizagem: abordagens teóricas e desafios para as práticas em contextos educativos. Cadernos de Educação, 45, 02-20.

Tani, G. (2011). Perspectivas para a Educação Física escolar. In G. Tani. Leituras em educação física: retratos de uma jornada (pp.251-266). São Paulo: Phorte.

Zimmerman, B. J. (1998). Developing self-fulfilling cycles of academic regulation: an analysis of exemplary instructional models. In D. H. Schunk, & B. J. Zimmerman. Self-regulated learning: from teaching to self-reflective practice (pp.1-19). New York: The Guilford Press.

Zimmerman, B. J. (2001). Theories of self-regulated learning and academic achievement: an overview and analysis. In B. J. Zimmerman, & D. H. Schunk. Self-regulated learning and academic achievement (pp.1-37). New Jersey: Lawrence Erlbaum associates.

Zimmerman, B. J. (2002). Becoming a self-regulated learner: an overview. Theory into practice, 41(2), 64-70.

Zimmerman, B. J. (2013). From cognitive modeling to self-regulation: a social cognitive carrier path. Educational psychologist, 48(3), 135-147.

Publicado
2016-01-15
Cómo citar
Gentilini Avila, L. T., Bragagnolo Frison, L. M., & Veiga Simão, A. M. (2016). Estrátegias de autorregulação da aprendizagem: contribuições para a formação de estudantes de educação física. Revista Iberoamericana De Educación, 70(1), 63-78. https://doi.org/10.35362/rie70173
Sección
- Investigación educativa