História da avaliação institucional do ensino superior brasileiro: um recorte entre os anos 1970 a 2010

  • Marcos Antonio Martins Lima Martins Lima Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Carlos Adriano Santos Gomes Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Denise Maria Moreira Chagas Corrêa Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Tânia Saraiva de Melo Pinheiro Universidade Federal do Ceará (UFC)
Palabras clave: História da avaliação educacional; Avaliação educacional; Avaliação institucional; Ensino Superior

Resumen

A Reforma do Ensino Superior de 1968 tinha como contexto os governos militares implantados com o Golpe de 1964. As experiências mais relevantes relativas à avaliação institucional no Ensino Superior no Brasil montam do período de 1970 a 2010, razão pela qual esta pesquisa tem como objetivo geral efetuar uma análise comparativa da Avaliação Institucional do Ensino Superior no Brasil de 1970 a 2010 com a evolução da Avaliação Educacional, sob a concepção epistemológica científica Bachelardiana. Para alcançar os objetivos desta pesquisa, utiliza-se um estudo de caso, empregando-se para tal análise o método histórico e comparativo. Os dados foram coletados por meio de pesquisa bibliográfica, tendo como principais fontes livros e artigos que dão suporte ao referencial teórico do trabalho, e em pesquisa documental, tendo como fonte a legislação pertinente ao objeto de estudo, dando suporte ao referencial legal da pesquisa. Os resultados do estudo indicam que o ensino superior brasileiro ainda se encontra, preponderantemente, nos moldes da avaliação tradicional (para regulação e controle). Inobstante a presença de traços de alguns elementos dos modelos preconizados por Tyler, Cronbach, Scriven, Stufflebeam e Stake, acredita-se que muito ainda se tem a percorrer até que a Educação Superior brasileira atinja o estágio da avaliação para o “empoderamento” defendida por Saul (1988) e Fetterman (1995).

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Cargando métricas ...

Citas

ARROSA, M. S. et AL (2002). A educação superior no Brasil. Brasília: Capes.
BACHELARD, Gaston (1978). Os Pensadores. Vida e Obra. A Filosofia do Não. O Novo Espírito Científico. A Poética do Espaço. Seleção de textos de: José Américo Motta Pessanha. Tradução de: J. J. M. Ramos. São Paulo: Abril Cultural.
BARREYRO, Gladys Beatriz. ROTHEN, José Carlos (2008). “Para uma história da avaliação da educação superior brasileira: análise dos documentos do PARU, CNRES, GERES e PAIUB”. Avaliação (Campinas) [online]. vol.13, n.1, pp. 131-152. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141408&script=sci_abstract&tlng=pt, em 31/03/10.
BRASIL. Lei n° 10.172, de 9 de janeiro de 2001. “Plano Nacional de Educação”. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF. Disponível em: . Acesso em: 01 mar. 2006.
. Lei n.º 5.540, de 28 de novembro de 1968. Lei da Reforma Universitária/68
. Decreto n.º 91.177, de 29 de março de 1985. Institui o CNRES
. Decreto-Lei n.º 2.299, de 21 de novembro de 1986. Altera o Decreto-Lei n.º 200, de 25 de fevereiro de 1967, e dá outras providências.
. Lei n.º 7.596, de 10 de abril de 1987.Altera o Decreto-Lei n.º 200/1967.
. Constituição da República Federativa do Brasil. 05 de outubro de 1988.
. Portaria MEC n.º 130, de 14 de julho de 1993. Criação de Comissão Nacional de Avaliação das Universidades Brasileiras (CN).
. Decreto n.º 2.026, de 10 de outubro de 1996.
. Lei nº 9.394 , de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases (LDB).
. Lei n.º 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o SINAES
. Portaria Normativa MEC nº 40, de 10 de janeiro de 2007. Institui o e-MEC
. Portaria Normativa MEC nº 12, de 5 de setembro de 2008. Institui o Índice Geral de Cursos da Instituição de Educação Superior (IGC).
. Portaria Normativa MEC nº 10, de 2 de julho de 2009. Consolida o Índice Geral de Cursos da Instituição de Educação Superior (IGC).
. Portaria MEC nº 658, de 8 de julho de 2009.
CHAUÍ, Marilena (2003). Convite à Filosofia. 13 ed. Ática: São Paulo, 2003.
COMISSÃO NACIONAL PARA REFORMULAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (CNRES). MEC/Brasil (1985). Uma nova política para a educação superior brasileira. Brasília : Ministério da Educação, 129 p. Relatório Final. Disponível em . Acesso em 01 mar. 2010
DE BRUYNE, P.; HERMAN, J.; SCHOUTHEETE, M. de. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: os pólos da prática metodológica. (“Dynamique de la recherche en sciences sociales”). Trad. de Ruth Joffily. Rio de Janeiro: F. Alves, 1977.
DIAS SOBRINHO, José (1996) . Avaliação institucional: marcos teóricos e políticos. Avaliação (Campinas) [online]. vol.01, n.01, pp. 15-24. ISSN 1414-4077. Disponível em < http://educa.fcc.org.br/scielo.php?pid=40771996000100003&script=sci_pdf&tlng=pt> Acesso em Maio de 2013
DIAS SOBRINHO, José (2003). Avaliação. Políticas educacionais e reformas da educação superior. São Paulo: Cortez.
ESCUDERO, Tomaz Escorza (2003). “Desde los tests hasta la investigación evaluativa actual. Un siglo, el XX, de intenso desarrollo de la evaluación en educación”. Relieve. v.9, n.1, p.11-43. 2003. Disponível em . Acesso em 06/05/10.
FETTERMAN, David. M (1995). “Empowerment Evaluation: A Form of Self-Evaluation”. Paper presented at the Annual Meeting of the American Educational Research Association, CA/USA, 35p, 1995. Disponível em Acesso em 02 mai. 2010.
FETTERMAN, David M (2001). Foundations of Empowerment Evaluation. CA/USA : Sage Publications.
FETTERMAN, David M (2000). Steps of empowerment evaluation: from California to Cape Town. 2000. In: STUFFLEBEAM, D.L., MADAUS, G.F., KELLAGHAN, T. Evaluation models – viewpouints on educational and human services evaluation. 2nd ed. Massachussets, USA : KAP.
GRUPO EXECUTIVO PARA A REFORMULAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (GERES). MEC/BRASIL (1986). Relatório. Brasília: Ministério da Educação, 37 p. Disponível em . Acesso em 01 mar 2010.
LIMA, Marcos Antônio Martins (2008). “Auto-avaliação e desenvolvimento institucional na educação superior: projeto aplicado em cursos de administração”. Fortaleza: Edições UFC.
POLIDORI, M. M.; MARINHO-ARAUJO, Claisy M. and BARREYRO, Gladys Beatriz (2006). “SINAES: perspectivas e desafios na avaliação da educação superior brasileira”. Ensaio: aval.pol.públ.Educ. [online]. v. 14, n. 53, pp. 425-436.
RISTOFF, Dilmo I (1995). Avaliação institucional: pensando princípios. In DIAS SOBRINHO, José. BALZAN, Newton César. (Orgs.) Avaliação institucional: teoria e experiências. São Paulo: Cortez.
SAUL, Ana Maria (1988). Avaliação Emancipatória. São Paulo : Cortez : Autores Associados.
STUFFLEBEAM, D.L (2003).The CIPP model for evaluation. In: Annual Conference of the Oregon Program Evaluators Network.
TRINIDAD, Antonio Requena (1998). Una experiencia de evaluación interna en organizaciones universitarias. Avaliação (Campinas) [online]. vol.03, n.02, pp. 15-32. ISSN 1414-4077. Disponível em Acesso em Maio de 2013
TYLER, R. W. (1934). Constructing achievement tests. Columbus: The Ohio State University. In Madaus, G.F. e Stufflebeam, D.L. Educational evaluation: classic works of Ralph W. Tyler. Springer, 1989. Parcialmente disponível em Acesso em 21 abr 2010.
VIANNA, Heraldo Marelim (2000). Avaliação Educacional. 2 ed. São Paulo: IBRASA.
WORTHEN, Blaine R. SANDERS, James R. FITZPATRICK, Jody L (2004). Avaliação de programas: concepções e práticas. Tradução: Dinah de Abreu Azevedo: São Paulo: Editora Gente.
Publicado
2013-09-15
Cómo citar
Martins Lima, M. A. M. L., Santos Gomes, C. A., Moreira Chagas Corrêa, D. M., & Saraiva de Melo Pinheiro, T. (2013). História da avaliação institucional do ensino superior brasileiro: um recorte entre os anos 1970 a 2010. Revista Iberoamericana De Educación, 63(1), 1-14. https://doi.org/10.35362/rie631787
Sección
- Evaluación