Qualidade educacional e gestão. formação, investigação e práticas gestoras

  • Dirléia Fanfa Sarmento Professora do Programa de Pós-graduação em Educação do Centro Universitário La Salle (Canoas/RS) e coordenadora do Observatório Educação de Qualidade: um direito de todos, dessa mesma instituição, Brasil.
  • Jardelino Menegat Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro Universitário La Salle – Unilasalle – Canoas – RS, Brasil.
Palabras clave: Educación de calidad; excelencia en gestión pública; gobernanza; formación de gestores escolares; investigación-acción colaborativa.

Resumen

El texto versa sobre la contribución de la investigación-acción colaborativa para la formación de gestores escolares, teniendo como presupuesto la excelencia de la gestión pública en la dirección y sus consecuencias para la calidad educativa. Para la fundamentación del estudio fue realizado el análisis documental de los dispositivos nacionales e internacionales que tratan de la educación de calidad, comprendida ésta como un derecho de todos y articulada con el estudio profundo de autores que discuten la gestión de la escuela pública. Los protagonistas fueron 80 gestores de escuelas de una red pública de enseñanza. Los datos, recogidos a través de los registros en el Diario de Campo y del cuestionario, fueron analizados con base en la Técnica de Análisis de Contenidos. Destacamos que: a) la formación de los gestores es condición fundamental para una gestión estratégica, es decir, es necesario el dominio de determinados conceptos y procedimientos específicos en el área de la administración, que, a veces, los profesionales de la educación todavía no poseen; b) la corresponsabilidad de los gestores y demás colaboradores para que se sientan partícipes en la construcción de un proyecto colectivo. Para ello, es necesario que se asegure espacios y tiempos de escucha de esos profesionales, identificando sus concepciones, perspectivas, dificultades y aportaciones; c) el empoderamiento de los gestores presupone la construcción de una relación de confianza, de apertura y de diálogo para que se sientan autoconfiantes y capaces de actuar en la resolución de problemas cotidianos.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

ABRUCIO, Luiz F. Gestão Escolar e Qualidade da Educação: um estudo sobre dez escolas paulistas. São Paulo: Estudos & Pesquisas Educacionais. Fundação Victor Civita, n.1, maio 2010, p.241-274.

BARDIN, Laurence. (1988). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

BOGDAN, Robert C.; BIKLEN, Sari K. (1994). Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto.

BONAMINO, A. M. C. de. Tempos de avaliação educacional: o SAEB, seus agentes, referências e tendências. Rio de Janeiro: Quarteto Editora & Comunicação Ltda, 2002.

BRASIL (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas.

BRASIL (2007). Decreto Presidencial n°. 6.094, de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União, em regime de colaboração com Municípios, Distrito Federal e Estados. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 243 de abr. 2007.

BRASIL (2005). Estatuto da criança e do adolescente: disposições constitucionais pertinentes: lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. – 6. ed. – Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 177p.

BRASIL (2014). Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 26 jun. 2014.

BRASIL (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF.

BRASIL (2006). Lei n. 11.274, 6 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 7 fev. 2006.

BRASIL (2007). Ministério da Educação. O Plano de Desenvolvimento da Educação. Razões, Princípios e Programas. Brasília, DF, MEC.

BRASIL (2012). Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: progressão escolar e avaliação: o registro e a garantia de continuidade das aprendizagens no ciclo de alfabetização: ano 03, unidade 08 / Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. -- Brasília: MEC, SEB.

BRASIL (2007). Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos / Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. – Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO.

CARR, Wilfred. (1996). Una teoría para la educación: hacia una investigación educativa crítica. MORATA: Madrid, 1996.

CARR, Wilfred; KEMMIS, Stephen. (1988). Teoría crítica de la enseñanza: la investigación-acción en la formación del profesorado. Barcelona: Martinez Roca.

EDUCAÇÃO PARA TODOS: o compromisso de Dakar (2001). – Brasília: UNESCO, CONSED, Ação Educativa, Disponível em: . Acesso em 30 jul. 2015.

DECLARAÇÃO MUNDIAL SOBRE A EDUCAÇÃO PARA TODOS (1990). Aprovada pela Conferência Mundial sobre Educação para todos – satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtiem, Tailândia, 5 a 9 de março de 1990.

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS (1948). Adotada e proclamada pela resolução 217A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948. Disponível em:< http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001394/139423por.pdf >. Acesso em 30 jul. 2015.

ELLIOTT, John. (2000). El cambio educativo desde la investigación-acción. 3. ed. Madrid: Morata.

FRANCO, Maria Amélia S. (2005). Pedagogia da Pesquisa Ação. Educação e Pesquisa, v. 31, nº 3, p. 483-502.

KEMMIS, Stephen; MCTAGGART, Robin. (1992). Cómo planificar la investigación-acción. Barcelona: Laertes Ediciones.

LEWIN, Kurt. (2006). La investigación-acción y los problemas de las minorías. In: SALAZAR, M. C (Org.). La investigación – acción participativa. Inicios y desarrollos. Madrid: Editorial Popular – Caracas: Editorial Laboratorio Educativo, p.15-25.

LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean.(1999). A construção do saber: manual de metodologia de pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul Ltda.

LIBÂNEO, José Carlos. (2004). Organização e gestão da escola: teoria e prática. 5. ed. Goiânia: Alternativa.

LÜCK, Heloísa. (2000). Perspectivas da Gestão Escolar e Implicações quanto à Formação de seus Gestores. Em aberto. Brasília. v.17, nº 72, p. 3-5, fev/jun, p.11-33, 2000.

MARCONI, Marina. de A.; LAKATOS, Eva M. (2006). Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação dos dados. São Paulo: Atlas, 2006.

MIRANDA, Marilia G.; RESENDE, Anita C. A. (2006). Sobre a pesquisa-ação na educação e as armadilhas do praticismo.Revista Brasileira de Educação. v.11, n.33, p. 511-518.

MONCEAU, Gilles. (2005). Transformar as práticas para conhecê-las: pesquisa-ação e profissionalização docente. Educação e Pesquisa, v.31, n.3, p.467-482.

OEI – Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura. (2008). Metas educativas 2021: a educação que queremos para a geração dos bicentenários. Madri. Disponível em:< http://www.oei.es/metas2021/metas2021_portugues.pdf>. Acesso em: 30 jul. 2015.

PARO, Vitor H. (2003). Administração Escolar: Introdução Crítica. São Paulo: Cortez.

PARO, Vitor H. (2002). Gestão Democrática da Escola Pública. São Paulo: Editora Ática.

PIMENTA, Selma G. (2005). Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa, v.31, n.3, p. 521-539.

ZEICHNER, Kenneth M.; DINIZ-PEREIRA, Júlio E.(2005). Pesquisa dos educadores e formação docente voltada para a transformação social. Cadernos de Pesquisa, vol.35, no.125, p.63-80, Maio.

ZEICHNER, Kenneth M.(1998). Para além da divisão entre professor-pesquisador e pesquisador acadêmico In: Geraldi, C. M.; Fiorentini, D. & Pereira, E. M. (orgs.) Cartografia do trabalho docente: professor(a)-pesquisador(a). Campinas, Mercado de Letras, ABL, p. 207-236.
Publicado
2016-01-15
Cómo citar
Fanfa Sarmento, D., & Menegat, J. (2016). Qualidade educacional e gestão. formação, investigação e práticas gestoras. Revista Iberoamericana De Educación, 70, 55-76. Recuperado a partir de https://rieoei.org/RIE/article/view/87