Cotidiano e formação continuada de professores: a perspectiva dos supervisores escolares de uma rede municipal de ensino

  • Gilberto Ferreira da Silva Programa de Pós-graduação em Educação do Unilasalle/Canoas
  • Juliana Aquino Machado Rede Municipal de Canoas
  • Natacha Scheffer Centro Universitário Metodista do IPA e da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre

Resumen

Nosso objetivo é compreender como os supervisores de uma rede municipal de ensino concebem o trabalho de formação continuada em serviço. Recorremos às contribuições do campo dos estudos sobre o cotidiano para amparar nossa discussão, procurando construir a necessária articulação entre teoria e prática. Defendemos a potencialidade do cotidiano escolar como estratégia para qualificar e reorientar as práticas formativas no ambiente escolar. Partimos do pressuposto que as ações que se produzem neste “espaçotempo” contribuem para a construção das identidades docentes, para a qualificação efetiva das práticas educativas e maximizam a formação continuada em serviço. Da análise das narrativas produzidas pelos supervisores escolares, a ideia de provisoriedade e incompletude do planejamento e do tempo para pensar sobre o que se faz são enfatizados. As estruturas de organização curricular clássicas que limitam as possibilidades de criação e de estabelecimento de ruptura com o cotidiano, visto como mera repetição, constituem-se como desafios para a assunção do espaço da escola como formador e auto formador.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

BARDIN, L. (1977) Análise de conteúdo. Ed. rev. e actual. Lisboa: Edições, 70.

CARVALHO, J. M. (2005). O não lugar dos professores nos entrelugares de formação continuada. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, n.28, p. 96-107, jan/abr 2005.

CERTEAU, M. (1994) A Invenção do Cotidiano: 1. Artes de Fazer. Petrópolis, Vozes.

CERTEAU, M; GIARD, L; MAYOL, P. (1996) .A invenção do cotidiano: 2, morar, cozinhar. Petrópolis, Artes de Fazer.

CANÁRIO, R. (2006) A escola tem futuro? Das promessas às incertezas. Porto Alegre, Artmed.

ESTEBAN, M. T. (2007). Educação popular: desafio à democratização da escola pública. Cadernos CEDES, Abr, vol.27, no.71, p. 9-17.

FERRAÇO, C. E. (2008). Cotidiano escolar, formação de professores e currículo. São Paulo, Cortez.

FERRAÇO, Carlos Eduardo; GOMES, Maria Regina Lopes (2013).. Sobre as redes que tecem praticaspolíticas cotidianas de currículo e de formação de professores/as. Currículo sem Fronteiras, v. 13, n. 3, p. 464-477, set./dez. 2013. Endereço Eletrônico: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol13iss3articles/ferraco-gomes.pdf Acesso em 14/08/2015.

JOSSO, M.-C. (2007). A transformação de si a partir da narração de histórias de vida. Educação, Porto Alegre/RS, ano XXX, n. 3 (63), p. 413-438, set./dez. 2007.

NÓVOA, A. (1997) Formação de Professores e formação docente. In: NÓVOA, António (coord.). Os professores e a sua formação. Publicações Dom Quixote, Lisboa.

NÓVOA, A. (2009) Professores Imagens do futuro presente. Portugal/Lisboa, Educa.

NÓVOA, A. (2009). A solução pode estar no trabalho de pensar o trabalho. Portugal: Número Zero, Abril de 2004. Entrevista conduzida por João Rita.

oliveira, I. B.; sgarbi, P. (2008) Estudos do cotidiano e educação. Belo Horizonte, Autêntica Editora.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

WARSCHAUER, C. (2001) Rodas em Rede: oportunidades formativas na escola e fora dela. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

Publicado
2015-10-31
Cómo citar
Ferreira da Silva, G., Aquino Machado, J., & Scheffer, N. (2015). Cotidiano e formação continuada de professores: a perspectiva dos supervisores escolares de uma rede municipal de ensino. Revista Iberoamericana De Educación, 69(2), 25-40. https://doi.org/10.35362/rie692135
Sección
- Profesión docente