Estás sempre chorando, tu é de açúcar? Pedagogias de gênero na educação infantil

  • Denise Regina Quaresma da Silva Universidade Feevale- Novo Hamburgo- RS/Brasil
  • Bruna Bertuol Rede Municipal de Educação de Bento Gonçalves/RS. Brasil.
Palabras clave: educação infantil; pedagogias de gênero; formação docente

Resumen

O presente estudo apresenta-se como uma pesquisa qualitativa, de cunho etnográfico, e parte da problematização das pedagogias de gênero presentes nas brincadeiras infantis e no cotidiano escolar de crianças de três a cinco anos, das Escolas Municipais de Educação Infantil de um município do sul do Brasil. Seis escolas foram observadas, com apontamentos no Diário de Campo. Suas bases teóricas foram autores/as dos Estudos Culturais e dos Estudos de Gênero, como Foucault (2009), Louro (2000), Giroux (1995), Meyer (2003), e Butler (2004). Os resultados apontam que as professoras, a partir de suas intervenções nas brincadeiras das crianças, visam à construção de identidades de gênero hegemônicas, com inferências impregnadas pelas pedagogias de gênero, buscando, assim, o desenvolvimento de certas características, habilidades, brincadeiras, brinquedos para meninos e meninas de forma marcadamente diferenciada. As práticas cotidianas do professorados estão relacionadas a padrões heteronormativos e a condutas resultantes de discursos sexistas que estão presentes na cultura e que são reproduzidos acriticamente. Concluímos que a formação docente é imprescindível para que avancemos no campo da educação que respeite a diversidade humana e a individualidade das crianças.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Bardin, Laurence. (2006). Análise de Conteúdo. Rego, L. de A. e Pinheiro, A. (Trads.). Lisboa, Edições 70.

Brougère, Gilles. (2010). Brinquedo e cultura. Revisão técnica e versão brasileira adaptada por Gisela Wajskop – Coleção questões da nossa época, v. 20. 8.º ed. São Paulo: Cortez.

Bujes, Maria Isabel E. (1998). O pedagógico na educação infantil: uma releitura. Porto Alegre: UFRGS-FACED/PPG-Edu. Trabalho apresentado na XXI Reunião Anual da ANPEd, Caxambu, digitado).

Bujes, Maria Isabel E. (1998). Criança e brinquedo: feitos um para o outro? (2000). In: COSTA, M. V. (Org.). Estudos Culturais em Educação. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS.

Butler, Judith. (2004). Lenguaje, poder e identidad. Madrid: Editora Síntesis.

Costa, Marisa Vorraber (Org.). (2000). Estudos Culturais em educação: mídia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS.

Díaz, Mario. (1998). Foucault, docentes e discursos pedagógicos. In: Liberdades Reguladas: a pedagogia construtiva e outras formas de governo do eu. Tomaz Tadeu da Silva (Org.) – Petrópolis, RJ: Vozes.

Felipe, Jane (1995). Gênero e sexualidade nas pedagogiasculturais: implicações para a educação infantil. Retorna. Disponível em: . Acesso em: 19 de dez. de 2012.

Felipe, Jane (2008). Educação para a igualdade de gênero. In: BRASIL, Ministério da Educação e Cultura. Educação para igualdade de gênero. Salto para o futuro. TV Escola. Ano XVIII, Boletim 26, Nov.

Foucault, Michel (1988). História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, Michel (2000) A ordem do discurso. Laura Fraga de Almeida Sampaio (Trad.). 6. ed. São Paulo: Edições Loyola.

Foucault, Michel (2009). Vigiar e punir: nascimento da prisão; tradução de Raquel Ramalhete. 37. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Giroux, H. A.; McLaren, P. (1995). Por uma pedagogia crítica da representação. In: Silva, T. T.; Moreira, A. F. (orgs.). Territórios contestados: o currículo e os novosmapas políticos e culturais. Petrópolis: Vozes.

Green, J. L.; Dixon, C. N.; Zaharlick, A. (2005). A etnografia como uma lógica de investigação. Educação em Revista, Belo Horizonte, n.42, p.13-79, dez.

Guizzo, B. S. (2011). Representações e práticas de embelezamento na Educação Infantil: uma abordagem na perspectiva de gênero. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Louro, Guacira Lopes (1997). Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes.

Louro, Guacira Lopes (2000). Corpo, escola e identidade. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 25, n.2, p. 59-76.

Lüdke, M.; André, M. E. D. A. (1999). Pesquisa em educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo: EDU.

Meyer, Dagmar E. (2000). Cultura teuto-brasileira-evangélica no RS: articulando gênero com raça, classe, nação e religião. Educação & Realidade, Porto Alegre, v.1, n.25, p.135-161, jan./jun.

Meyer, Dagmar E. (2003). Gênero e educação: teoria e política. In: Louro, G. L.; Neckel, J. F., Goellner, S. V. (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, p. 9-27.

Olusoga, Yinka. (2011). Nós não brincamos assim aqui: perspectivas sociais, culturais e de gênero sobre a brincadeira. In: Brincar: aprendizagem para a vida. Tradução: Fabiana Kanan; Revisão técnica: Maria Carmen Silveira Barbosa - Porto Alegre: Penso.

Quaresma da Silva, D. R.; Mello, E. M. de (2008). Discurso e gênero: uma discussão sobre modos de anunciar o feminino. Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder. Florianópolis.

Quaresma da Silva, D. R.; Sarmento, F. D. e Fossatti, P. (2012) Género y sexualidad: ¿quédicenlas profesoras de educación infantil de Canoas, Brasil? Archivos Analíticos de Políticas Educativas, 20 (16). Disponível em: . Acesso em: 28 de out. de 2012.

Silva, Wesley Lopes da. (1999). Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica.

Vianna, C., Finco, D. (2009). Meninas e Meninos na Educação Infantil: uma questão de gênero e poder. Cadernos pagu (33), julho-dezembro, p. 265-283.

Vitória, M. I. C. (2003). O brinquedo e a brincadeira: uma relação marcada pelas práticas sociais. In: A criança e a produção cultural: do brinquedo à literatura. Sissa Jacoby (Org.). Porto Alegre: Mercado Aberto.
Publicado
2015-05-01
Cómo citar
Quaresma da Silva, D. R., & Bertuol, B. (2015). Estás sempre chorando, tu é de açúcar? Pedagogias de gênero na educação infantil. Revista Iberoamericana De Educación, 68, 137-150. https://doi.org/https://doi.org/10.35362/rie680208
Sección
Artículos del monográfico