Direitos humanos e preconceito a cegos universitários brasileiros

  • Bento Selau Universidade Federal do Pampa, UNIPAMPA, Brasil
  • Magda Floriana Damiani Universidade Federal de Pelotas, UFPel, Brasil
Palabras clave: cegos | direitos humanos | educação superior | preconceito.

Resumen

Este trabalho tem como objetivo analisar os relatos de um grupo de cegos, egressos da educação superior, acerca do comportamento de seus professores, à luz dos princípios da educação em direitos humanos. Traz para o debate as novas políticas relativas a esse tópico, no Brasil. Constituiu-se em uma investigação de natureza qualitativa, assumindo a forma de estudos de casos de oito sujeitos. Os dados foram coletados por meio de entrevistas e submetidos a um processo de análise textual discursiva. Os achados apontam para a violação de alguns princípios da educação em direitos humanos, tais como, igualdade de direitos, dignidade e reconhecimento e valorização das diferenças e diversidades, por parte de docentes, materializados em comportamentos de origem preconceituosa.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Amiralian, M. L. T. M. (1997). Compreendendo o cego: uma visão psicanalítica da cegueira por meio de desenhos-estórias. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Bauer, M. W., e Gaskell, G. (2002). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes.

Bazon, F. V. (2009). M. As mútuas influências, família-escola, na inclusão escolar de crianças com deficiência visual. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Bogdan, R. C., e Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Brasil. (2007). Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília. Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO.

Brasil. (2012). Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP Nº: 8. Brasília: Ministério da Educação.

Caiado, K. R. M. (2003). Aluno deficiente visual na escola: lembranças e depoimentos. Campinas: Autores Associados.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1998). Brasília. Recuperado em 10 abril 2007, de http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/Constituicao/Constitui%C3%A7ao.htm

Delpino, M. (2004). Facilidades e dificuldades encontradas pelos alunos com deficiência visual no curso superior. Dissertação de Mestrado, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP, Brasil.

Lüdke, M., e André, M. E. D. (1986). Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Mazzoni, A. A., e Torres, E. F. (2005). A percepção dos alunos com deficiência visual acerca das barreiras existentes no ambiente universitário e seu entorno. Revista Benjamin Constant, Rio de Janeiro, 30, 1-12.

Moraes, R. (2003). Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, 9(2), 191-211.

Nuernberg, A. H. (2009). Rompendo barreiras atitudinais no contexto do ensino superior. In: Anache, A. A. e Silva, L. R. (Orgs.). Educação Inclusiva: experiências profissionais em Psicologia. Brasília: Conselho Federal de Psicologia.

Nuernberg, A. H. (2010). Ilustrações táteis bidimensionais em livros infantis: considerações acerca de sua construção no contexto da educação de crianças com deficiência visual. Rev. Educ. Espec., 23(36), 131-144.

Oliveira, L. C. P. (2007). Trajetórias escolares de pessoas com deficiência visual: da Educação Básica ao Ensino Superior. Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Organização das Nações Unidas. (1948). Declaração Universal Dos Direitos Humanos: Recuperada em 15 janeiro, 2014, de http://portal.mj.gov.br/sedh/ct/legis_intern/ddh_bib_inter_universal.htm

Raposo, P. N. (2006). O impacto do sistema de apoio da Universidade de Brasília na aprendizagem de universitários com deficiência visual. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Rodrigues, D. (2004). A inclusão na universidade: limites e possibilidades da construção de uma universidade inclusiva. Rev. Educ. Espec., 23.

Selau, B. (2013). Fatores associados à conclusão da educação superior por cegos: um estudo a partir de L. S. Vygotski. Tese de doutorado, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.
Publicado
2015-03-15
Cómo citar
Selau, B., & Damiani, M. F. (2015). Direitos humanos e preconceito a cegos universitários brasileiros. Revista Iberoamericana De Educación, 67(2), 103-116. https://doi.org/10.35362/rie672255
Sección
- Educación y derecho