Psicanálise e educação: pensando a formação docente para o século XXI

  • Flávia Andréa Velasco Pennachin Universidade Federal do ABC, Brasil.
  • Maisa Helena Altarugio Universidade Federal do ABC. Brasil
Palabras clave: formação docente | psicanálise | subjetividade

Resumen

Há muito tempo a discussão sobre o encontro entre a educação e a psicanálise se faz presente em ambos os campos. Esta prática vem sendo ampliada quando se considera a constituição do sujeito na Psicanálise: agir na educação sob a ótica psicanalítica é considerar o sujeito (professor e aluno) e suas faltas, sabendo que o resultado nunca será predeterminado. A construção da relação ensino-aprendizagem se faz, sob a luz da Psicanálise, por meio da construção da relação subjetiva professor-aluno, considerando estes atores em suas vicissitudes e desejos. Este trabalho tem como objetivo discutir a interface destes campos, entendendo que a partir do momento em que os aspectos integrais do sujeito são considerados durante o processo de ensino-aprendizagem (ser biopsicossocial e cultural), torna-se possível a construção da subjetividade e, consequentemente, a construção do saber, mesmo dentro da diversidade.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

ABRÃO, J. L. F. (2006). As influências da Psicanálise na educação brasileira no início do século XX. Psic.: Teor. e Pesq., Vol. 22, Issue 2, p. 233-240.

ALTARUGIO, M. H.; VILLANI, A.; MRECH, L. M.; FALJONI-ALARIO, A. (2005). Educar para a realidade: um desafio na formação de professores. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Bauru - SP, Vol. 5, Issue 1, p. 17-36.

BENEITONE, P. (2007) Reflexões e perspectivas do Ensino Superior na América Latina: Relatório final – Proyecto Tuning – América Latina. Univesidade de Deusto e Universidade de Groningen, 2007.

CASTANHO, S. (2000). A educação superior no século XXI: comentários sobre o documento da Unesco. Interface (Botucatu), Vol. 4, Issue 7, p. 163-166.

CORREA, C. R. G. L. (2009). Educação: ensino ou transmissão? Estilos da Clínica, Vol. 14, Issue 27, p. 190-207.

DECLARAÇÃO DE BOLONHA (1999). . [Consulta: ago. 2012]

EVANGELISTA, O.; SHIROMA, O. E. (2007). Professor: protagonista e obstáculo da reforma. Educação e Pesquisa, Vol. 33, Issue 3. p. 531-541.

FREUD, S. A interpretação dos sonhos. (1900). In: Freud, S. Edição Standart Brasileira das Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1976. Vol. VII.

_________. (1912). Recomendações aos médicos que exercem a Psicanálise. In: Freud, S. Edição Standart Brasileira das Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1976. Vol. XII.

_________. (1913). Sobre o início do tratamento. In: Freud, S. Edição Standart Brasileira das Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1976. Vol. XII.

_________. (1914). Algumas reflexões sobre a psicologia escolar. In: Freud, S. Edição Standart Brasileira das Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1976. Vol. XIII.

_________. (1933). Novas conferências introdutórias sobre Psicanálise: explicações, aplicações e orientações. In: Freud, S. Edição Standart Brasileira das Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1976. v. XXII.

_________. (1926). A questão da análise leiga. In: Freud, S. Edição Standart Brasileira das Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1976. v. XX.

HORTALE, V. A.; MORA, J. G. (2004). Tendências das reformas da educação superior na Europa no contexto do processo de Bolonha. Educ. Soc., Vol. 25, Issue 88, p. 937-960.

JAPIASSÚ, H. F. (1977). Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago.

KUPFER, M. C. (2001). Educação para o futuro: Psicanálise e educação. São Paulo: Escuta.

LACAN, J. (1992). O Seminário, Livro 8: A transferência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

_________. (1992a) O Seminário, Livro 17: O avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar Ed.

LAPLANCHE, J; PONTALIS, J. B. (2002). Vocabulário da Psicanálise. São Paulo: Martins Fontes.

MACEDO, A.R. (2005). Educação superior no século XXI e a reforma universitária brasileira. Ensaio: aval.pol.publ.Educ., Vol. 13, Issue 47, p. 127-148.

MACIEL, M. R. (2005). Sobre a relação entre educação e Psicanálise no contexto das novas formas de subjetivação. Interface (Botucatu), Vo.l 9, Issue 17, p. 333-342.

MRECH, L.M. (2002) Psicanálise e Educação: novos operadores de leitura. São Paulo: Pioneira.

NÓVOA, A.; ESTRELA, A. (2009). Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Educa.

PEREIRA, M. R.; SANTIAGO, A. L. B.; LOPES, E. M. T. (2009) Apresentação do dossiê Psicanálise e Educação. Educ. rev., Belo Horizonte, Vol. 25, Issue 1, p. 139-148.

REY, S. (2005). O que a Psicanálise nos ensina, como ensiná-lo? In: Onde fala um analista. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, Vol. 12, Issue 29.

SCHÖN, D. A. (1992) Formar professores reflexivos. In: Nóvoa A. Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, p. 79-92.

UNESCO. (1998). Declaración mundial sobre la educación superior en el siglo XXI: visión y acción. Unesco. . [Consulta: ago. 2012]

VIEIRA, R. M.; TENREIRO-VIEIRA, C.; MARTINS. I. P. (2011). Critical thinking: Conceptual clarification and its importance in science education. Science Education International, Vol. 22, Issue 1, p. 43-54.

ZEICHNER, K. (1992) Novos caminhos para o practicum: uma perspectiva para os anos 90. In: Nóvoa A. Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, p. 117-138.
Publicado
2015-01-15
Cómo citar
Velasco Pennachin, F. A., & Altarugio, M. H. (2015). Psicanálise e educação: pensando a formação docente para o século XXI. Revista Iberoamericana De Educación, 67(1), 27-42. https://doi.org/https://doi.org/10.35362/rie671262
Sección
- Filosofía de la educación