Currículos integrados e as competências construídas por estudantes de odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

  • Ramona Fernanda Ceriotti Toassi Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Brasil
  • Juliana Maciel de Souza Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Brasil
  • Fernando Bitencourt Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Brasil
Palabras clave: Currículo em Odontologia; Educação Baseada em Competências; Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Resumen

Este estudo analisa as competências adquiridas por estudantes de Odontologia em um modelo curricular integrado, ao longo de sua trajetória acadêmica. Utilizou dados quanti-qualitativos e o campo de investigação foi o curso de graduação em Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil.O corpus de análise foi definido por meio da análise documental e das respostas de um questionário semiestruturado. Para a análise dos dados quantitativos foram calculadas as distribuições de frequência das variáveis investigadas. Já os qualitativos foram interpretados, seguindo o método da análise de conteúdo, considerando-se os conceitos de competências técnicas e transversais. Participaram do estudo 360 estudantes, do 1.º ao 5.º ano (88,5% do total de estudantes matriculados no curso). A maior parte estava constituída por mulheres, jovens, solteiros, sem filhos, do estado de origem da Universidade, que cursaram o ensino fundamental e médio em escola particular, cujos pais possuíam ensino superior completo e renda familiar mensal entre 6 a 10 salários mínimos. As competências técnicas foram as mais observadas pelos estudantes dos anos iniciais do curso, sendo associadas às competências transversais a partir do início das Clínicas Integradas (3.º ano) e nos semestres finais da formação (período dos estágios). Para os estudantes que estavam concluindo o curso, as competências transversais foram as mais significativas para sua formação. As competências de hoje são provisórias e sujeitas a mudanças. Os currículos devem possibilitar essas mudanças, reconstruindo-se continuamente.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Anastasiou, L. G. C. (2005). Da visão de ciência à organização curricular. In L. G. C. Anastasiou e L. P. Alves. Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula (pp. 40-63). Joinville: UNIVILLE.

Apple, M. W. (1994). A política do conhecimento oficial: faz sentido a ideia de um currículo nacional? In A. F. Moreira e T. T. Silva (Orgs). Currículo, Cultura e Sociedade (pp. 59-91). São Paulo: Cortez.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Belth, M. (1977). The process of thinking. Nueva York: David McKay Company.

Berticelli, I. A. (1999). Currículo: tendências e filosofia. In M. V. Costa. O currículo nos limites do contemporâneo (pp. 159-176). Rio de Janeiro: DP&A.

Brasil. Conselho Nacional De Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 3/2002, de 19 de fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. Diário Oficial da União, Brasília, 04 de março de 2002. Seção 1, p. 10.

Costa, I. C. C. e Araujo, M. N. T. (2011). Definição do perfil de competências em saúde coletiva a partir da experiência de cirurgiões-dentistas atuantes no serviço público. Ciênc. saúde coletiva [online], 16 (1), 1181-1189.

Domingues, J. L. (1986). Interesses humanos e paradigmas curriculares. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 67 (156), 351-366.

Ema, J. E., Molina, J. G., Arribas, S. e Cano, G. (2013). ¿Qué (nos) está pasando en la universidad?Athenea Digital (p. 3-6), 13 (1). Recuperado 27 de janeiro de 2014, de http://atheneadigital.net/article/view/1173-Ema/pdf

Fernandes, D. (2006). Avaliação, aprendizagens e currículo: para uma articulação entre investigação, formação e práticas. In R. L. L. Barbosa (Org.).Formação de Educadores (pp. 15-36). São Paulo: UNESP.

Ferreira, R. C., Silva, R. F. e Aguer, C. B. (2007). Formação do profissional médico: a aprendizagem na atenção básica de saúde. Rev. Bras. Educ. Med., 31 (1), 52-59.

Feuerwerker, L. C. M. e Almeida, M. (2004). Diretrizes Curriculares e projetos pedagógicos: é tempo de ação! Revista da ABENO, 4 (1), 14- 16. Recuperado 22 de janeiro de 2014, de

http://chasqueweb.ufrgs.br/~danilo.blank/Feuerwerker_Diretrizes_curriculares_Rev_ABENO_2004.pdf

Good, C. (1973). Dictionary of Education. Nueva York: MacGraw-Hill.

Gómez, A. I. P. (2011). Competências ou pensamento prático? A construção de significados de representação e de ação. In J. G. Sacristán, Á. I. P. Gómez, J. B. M. Rodríguez, J. T. Santomé, F. A. Rasco e J. M. A. Méndez. Educar por competências: o que há de novo? (pp. 64-114). Porto Alegre: Artmed.

Grundy, S. (1987).Curricula: product or praxis? London: The Falmer Press.

Johnson JR, M. (1967). Definitions and models in curriculum theory. In H. A. Giroux, A. N. Penna e W. F. Pinar (Eds.). Curriculum & Introduction (pp. 69-86). Berkeley: MacCutcham. Pub. Co.

Kemmis, S. (1988). El curriculum: más allá de la teoría de la reproducción. Madrid: Morata.

Le Boterf, G. (2003). Desenvolvendo a competência dos profissionais. Porto Alegre: Artmed.

Lemos, C. L. S., & Fonseca, Selva G. (2009). Saberes e práticas curriculares: um estudo de um curso superior na área da saúde. Interface - Comunic., Saúde, Educ., 13(28), 57-69.

Lemos, C. L. S. (2005). A implantação das Diretrizes Curriculares dos Cursos de Graduação em Odontologia no Brasil: algumas reflexões. Revista da ABENO, 5 (1), 80-85. Recuperado 26 de janeiro de 2014, dehttp://abeno.org.br/ckfinder/userfiles/files/revista-abeno-2005-1.pdf

Lima, V. V. (2005). Competência: distintas abordagens e implicações na formação de profissionais de saúde. Interface - Comunic., Saúde, Educ., 9 (17), 369-79.

Macedo, R. S. (2007). Currículo: campo, conceito e pesquisa. Petrópolis, RJ: Vozes.

Moreira, A. F. B. (1995). Escola, currículo e construção do conhecimento: novas reflexões. Cadernos Pedagógicos, Porto Alegre, 5, Seminário de Verão SMED.

Moreno, M. L. R. (2005). Las demandas sociales y el mercado laboral ante la integración europea del conocimiento universitario. Cuadernos de Integración Europea, 1(2), 54-68. Recuperado 27 de janeiro de 2014, de http://cde.uv.es/documents/2005-02-63.pdf

Morita, M. C. e Kriger, L. (2004). Mudanças nos cursos de Odontologia e a interação com o SUS. Revista da ABENO, 4 (1), 17-21. Recuperado 20 de janeiro de 2014, de http://www.universidadesaudavel.com.br/wp-content/uploads/SC5/estudo1/MudOdontologiaSUS.pdf

Pacheco, J. A. (2001). Currículo: teoria e práxis. Portugal: Porto.

Paula, L. M. e Bezerra, A. C. B. (2003). A estrutura curricular dos cursos de Odontologia no Brasil. Revista da ABENO, 3 (1), 7-14. Recuperado 22 de janeiro de 2014, de http://www.abeno.org.br/revista-abeno-pdf.php

Perrenoud, P. (1999). Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed.

Phenix, P. (1964). Realms of meaning. Nueva York: MacGraw-Hill.

Pozo, J. I. (2006). La nueva cultura del aprendizaje en la sociedad del conocimiento. In J. I. Pozo. Nuevas formas de pensar la enseñanza y la aprendizaje: las concepciones de profesores y alumnos (pp. 29-50). Barcelona: GRAO.

Rodríguez, J. B. M. (2011). A cidadania se torna competência: avanços e retrocessos. In J. G. Sacristán, Á. I. P. Gómez, J. B. M. Rodríguez, J. T. Santomé, F. A. Rasco, & J. M. A. Méndez. Educar por competências: o que há de novo? (pp. 115-160). Porto Alegre: Artmed.

Rychen, D. S.; Salganik, L. H. (2004).Definir y seleccionar las competencias fundamentales para la vida. México, D. F., Fondo de Cultura Económica.

Santos, W. S. (2011). Organização curricular baseada em competência na educação médica. Revista Brasileira de Educação Médica, 35 (1), p. 86-92. Recuperado 27 de janeiro de 2014, de http://www.scielo.br/pdf/rbem/v35n1/a12v35n1.pdf

Sacristán, J. G. (2000). Aproximação ao conceito de currículo. In J. G. Sacristán. O currículo: uma reflexão sobre a prática (pp. 13-53). Porto Alegre: Artmed.

Sacristán, J. G., Gómez, A. I. P., Rodríguez, J. B. M., Santomé, J. T., Rasco, F. A., & Méndez, J. M. A. (2011). Educar por competências: o que há de novo? Porto Alegre: Artmed.

Schwab, J. (1983). Un enfoque práctico como lenguaje para el curriculum. In Sacristán, J. G. e Gómez, A. P. (Eds.), La enseñanza: su teoria y su práctica (pp. 197-209). Madrid: Akal.

Silva, M. A. M., Amaral, J. H. L., Senna, M. I. e Ferreira, E. F. (2012). O Pró-Saúde e o incentivo à inclusão de espaços diferenciados de aprendizagem nos cursos de Odontologia no Brasil. Interface - Comunic., Saúde, Educ.,16 (42), 707-717.

Silva, B. M. B. e Teixeira, M. A. P. (2012). Autopercepção de competências transversais de trabalho em universitários: construção de um instrumento. Estud. psicol, 17 (2), 199-206.Recuperado 24 de janeiro de 2014, de http://www.scielo.br/pdf/epsic/v17n2/02.pdf

Siqueira-Batista, R., Gomes, A. P., Albuquerque, V. S., Cavalcanti, F. O. L. e Cotta, R. M. M. (2013). Educação e competências para o SUS: é possível pensar alternativas à(s) lógica(s) do capitalismo tardio? Ciência & Saúde Coletiva, 18(1), 159-170.

Smith, P. K. e Connolly, K. J. (1980). The ecology of preschool behavior. Cambridge: Cambridge University Press.

Stenhouse, L. (1984). Investigación y desarollo del curricullum. Madrid: Morata.

Taba, H. (1974). Elaboración del currículo. Buenos Aires: Troquel.

Toassi, R. F. C., Davoglio, R. S. e Lemos, V. M. A. (2012). Integração ensino-serviço-comunidade: o estágio na atenção básica da graduação em Odontologia.Educação em Revista, 28 (4), 223-242.

Toassi, R. F. C., Baumgarten, A., Warmling, C. M., Rossoni, E., Rosa, A. R. R. e Slavutzky, S. M. B. (2013). O ensino nos serviços de atenção primária do Sistema Único de Saúde (SUS) na formação de profissionais de saúde no Brasil. Interface - Comunic., Saúde, Educ.,17 (45), 385-392.

Tyler, R. (1973). Principios básicos del currículo.Buenos Aires: Troquel.

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Odontologia. Projeto Político Pedagógico. Porto Alegre, 2005. Recuperado 22 de janeiro de 2014, de http://www.ufrgs.br/odonto/projeto_pedagogico_Odontologia_curso_diurno

Yoder, K. M. (2006). A framework for service-learning in dental education. Journal of Dental Education, 70 (2), 115-123. Recuperado 27 de janeiro de 2014, de

http://www.jdentaled.org/content/70/2/115.full.pdf+html

Warmling, C. M., Rossoni, E., Hugo, F. N., Toassi, R. F. C., Lemos, V. A., Slavutzky, S. M. B., et al.(2011). Estágios curriculares no SUS: experiências da Faculdade de Odontologia da UFRGS. Revista da ABENO, 11 (2), 63-70. Recuperado 23 de janeiro de 2014, de http://revabeno.emnuvens.com.br/revabeno/article/view/66/66

Weiner, F. E. (1999). Definition and selection of competencies - concepts of competence. Max Planck Institute for Psychological Research, Munich.

Zabala, A. e Arnau, L. (2010).Como aprender e ensinar competências. Porto Alegre: Artmed.

Zabalza, M. A. (1991). Diseño y desarrollo curricular.Madrid: Narcea.
Publicado
2015-01-15
Cómo citar
Ceriotti Toassi, R. F., Maciel de Souza, J., & Bitencourt, F. (2015). Currículos integrados e as competências construídas por estudantes de odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Revista Iberoamericana De Educación, 67(1), 43-64. https://doi.org/https://doi.org/10.35362/rie671263
Sección
- Currículo y planes de estudio