BRICS e a educação superior. Questões e convergências possíveis?

  • Maria Creusa de Araújo Borges Universidade Federal da Paraíba (UFPb), Brasil

Resumen

O autor examina a convergência de políticas no ensino superior nas potências mundiais emergentes, particularmente nos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Considerando as relações de forças, posições de poder marcam e influenciam o espaço geopolítico. Dessa forma, a posse de capital relevante nos cenários econômico e político caracteriza o espaço em que a cooperação em tecnologia, educação e formação tem sido colocada na agenda política dos países do BRICS, especialmente desde a crise econômica desencadeada em 2008. Nesse cenário, a autora discute temas e tópicos referentes a possíveis convergências que devem ser construídas no ensino superior, com o objetivo de dar continuidade e fortalecer projetos de cooperação, ao centrar em áreas prioritárias para a consolidação da posição emergente dos países do BRICS. Assume-se que as estratégias regionais indicam a construção de uma agenda de cooperação com ênfase no par pesquisa/tecnologia, internacionalização e FEP (Formação e Educação Profissional). A agenda aqui proposta é desenhada com base em análise bourdieusiana de campo de forças e de capital.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Borges, Maria Creusa de Araújo (2015). Regulação da educação superior brasileira: a Lei de Inovação Tecnológica e da Parceria Público-Privada. Educação e Pesquisa, 41(4), 67-80, São Paulo.

Borges, Maria Creusa de Araújo (2013). Reforma da universidade no contexto da integração europeia: o Processo de Bolonha e seus desdobramentos. Educação & Sociedade, 34(122, 67-80, Campinas.

Borges, Maria Creusa de Araújo (2010). A visão de educação superior do Banco Mundial: recomendações para a formulação de políticas educativas na América Latina. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, 26(2), 367-375. Porto Alegre.

Borges, Maria Creusa de Araújo (2009). A educação superior numa perspectiva comercial: a visão da Organização Mundial do Comércio. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, 25(1), 83-91. Recife.

Freitag, Michel (1996). Le naufrage de l’université. Paris: Éditions La Découverte/M.A.U.S.S.

Lucas, Philippe (1987). L’université captive. Paris: Publisud.

Murteira, Mário (2004). Economia do conhecimento: conhecimento, capital e trabalho no mercado global. 1ª ed. Quimera.

Readings, Bill (1996). The university in ruins. Cambridge: Harvard University Press.

Santos, Boaventura de Sousa (2013). Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 9ª ed. Revista e aumentada. Coimbra, Pt: Almedina.

Santos, Boaventura de Sousa (org) (2002). A globalização e as ciências sociais. São Paulo: Cortez,.

Squeff, Flávia de Holanda Schmidt (2017). Nove cérebros, um só corpo: a “super” agência britânica de pesquisa e inovação. Radar: tecnologia, produção e comércio exterior, Brasília: IPEA, vol. 50, 19-22.

Stuenkel, Oliver (2017). BRICS e o futuro da ordem global. Tradução Adriano Scandolara. 1ª ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra.

Documentos e Legislação

Brasil (2004a). Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 3 de dezembro.

Brasil (2004b). Lei n. 11.079, de 30 de dezembro de 2004. Institui normas gerais para licitação e contratação de parceria público-privada no âmbito da administração pública. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 31 de dezembro.

Brasil (2012). Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 de agosto de 2012.

Brasil (2016). Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação e altera a Lei no 10.973, de 2 de dezembro de 2004, a Lei no 6.815, de 19 de agosto de 1980, a Lei no8.666, de 21 de junho de 1993, a Lei no 12.462, de 4 de agosto de 2011, a Lei no 8.745, de 9 de dezembro de 1993, a Lei no 8.958, de 20 de dezembro de 1994, a Lei no 8.010, de 29 de março de 1990, a Lei no 8.032, de 12 de abril de 1990, e a Lei no 12.772, de 28 de dezembro de 2012, nos termos da Emenda Constitucional no 85, de 26 de fevereiro de 2015. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 12 de janeiro de 2016.

Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (1995). La ensenãnza superior: las lecciones derivadas de la experiência. Washington, D. C.

Comitê Econômico e Social Europeu (2011). Parecer do Comité Económico e Social Europeu sobre a Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões «Apoiar o crescimento e o emprego — Uma agenda para a modernização dos sistemas de ensino superior da Europa» COM (2011) 567 final, (2012/C 181/25). Disponível em: http://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/?uri=CELEX%3A52012AE0823. Acesso em 10 de outubro de 2017.

Communiqué of the Conference of Ministers Responsible for Higher Education (2003). Berlim. Disponível em: http://www.bologna-berlin2003.de/pdf/Communique1.pdf. Acesso em: 20 fev. 2017.

Declaração Conjunta dos Ministros da Educação Europeus (1999). Declaração de Bolonha. Bolonha,. Disponível em: http://www.dges.mctes.pt/NR/rdonlyres/5FE89836-7A33-4FA6-994A-D7E7A841BAA5/1818/Declaracao_Bolonha_portugues.pdf. Acesso em: 10 fev. 2017.

Declaração Conjunta de Quatro Ministros de Ensino Superior Europeu (Alemanha, França, Itália e Reino Unido) (1998). Harmoniser l` architecture du système européen d`enseignement supérieur. Paris. Disponível em: http://www.utl.pt/docs/DeclaracaoSorbonne.pdf. Acesso em: 10 fev. 2017.

Mercado Comum do Sul. Plano de ação do setor educacional do MERCOSUL. Disponível em: http://edu.mercosur.int/pt-BR/plano-2011-2015/161-plano-de-acao-2011-2015.html. Acesso em: 10 de out. 2017.

Ministério da Ciência e do Ensino Superior (2003). Conferência de ministros responsáveis pelo ensino superior. Berlim. Disponível em: http://www.anped11.uerj.br/. Acesso em: 10 fev. 2017.

Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (2008). Tertiary education for the knowledge society. Volume1, Paris. Disponível em: http://www.oecd.org/education/skills-beyond-school/41266690.pdf. Acesso em: 10 out. 2017.

Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (2013). Notes on non-OECD providers of development co-operation. In: OECD. Development Co-operation Report 2013: Ending Poverty. Paris: Organisation for Economic Co-operation and Development.

Reitores das Universidades Europeias (1988). Magna carta das universidades. Bolonha. Disponível em: http://www.esta.ipt.pt/3es/download/Magna%20Carta%20das%20Universidades.pdf. Acesso em: 10 fev. 2017.

Russian Federation (2014). Response to BRICS Education Report Questionnaire. Moscow: Government of the Russian Federation.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (2014). BRICS: Construir a educação para o futuro - prioridades para o desenvolvimento nacional e a cooperação internacional. UNESCO: Paris. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0022/002296/229602por.pdf. Acesso em: 12 abril de 2017.

World Trade Organization (1998). Servicios de enseñanza – nota documental de la secretaria. Disponível em: wto.org/tratop_e/serv. Acesso em: 15 jul. 2017.

World Trade Organization (1995). The General Agreement on trade in services (GATS): objectives, coverage and disciplines. Disponível em: www.wto.org/tratop_e/serv. Acesso em: 15 jul. 2017.
Publicado
2018-04-20
Cómo citar
de Araújo Borges, M. (2018). BRICS e a educação superior. Questões e convergências possíveis?. Revista Iberoamericana De Educación, 76(1), 39-56. Recuperado a partir de https://rieoei.org/RIE/article/view/2989
Sección
- Políticas educativas