Mecanismos de gobernanza en universidades sin fines de lucro: un ensayo teórico

Palabras clave: Gobierno Corporativo; Mecanismos de gobierno corporativo; Universidades sin fines de lucro

Resumen

Este ensayo teórico tuvo como objetivo comprender la dinámica de los mecanismos de gobierno corporativo para las universidades sin fines de lucro. El estudio se realizó a través de un ensayo teórico, de naturaleza reflexiva e interpretativa, buscando profundizar el tema a partir de articulaciones teóricas. Fue posible verificar la existencia de conflictos de agencia, sin embargo, el tema del gobierno corporativo para las universidades sin fines de lucro es incipiente y faltan estudios que desarrollen el tema en el segmento de educación superior, especialmente para las universidades sin fines de lucro, que han experimentado transformaciones significativas en su modelo de gestión ante la creciente competitividad del sector, el intenso proceso de regulación por políticas educativas y los cambios en la relación con el conocimiento. Los resultados demuestran que la adopción de mecanismos de gobierno corporativo por parte de universidades sin fines de lucro puede contribuir a mitigar conflictos de agencias, aunque la teoría de agencias desarrolla la relación (conflictos) en organizaciones que cotizan en bolsa con fines de lucro, en el contexto de universidades sin Para fines de lucro, además del conflicto entre el principal y el agente, el conflicto de la agencia entre los gerentes y las stakeholders.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Djeison Siedschlag, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Brasil

Possui graduação em Ciências Contábeis pela Universidade do Vale do Itajaí(2006) e mestrado-profissionalizante em Mestrado Profissional em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí(2017). atualmente é aluno do Programa de Pós-graduação em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí.

Atua na função de diretor de Planejamento e Finanças da Universidade do Vale do Itajaí. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Ciências Contábeis. Atuando principalmente nos seguintes temas:Estratégias, Universidades, Implementação da estratégia, Alinhamento estratégico. Governança Corporativa.

Jeferson Lana, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Brasil

Doutor em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas - FGV/EAESP (2013-2017). Bolsista do Programa Capes/Fulbright de Doutorado Sanduíche na The Wharton School (University of Pennsylvania), Philadelphia, PA, USA (2015/2016). Mestre em Administração pela UNIVALI/SC (2013). Pós-graduado em Gestão Financeira com ênfase em Mercado de Capitais pela Fundação Getúlio Vargas (2010). Graduado em Administração de Empresas pela Fundação Educacional de Brusque - Unifebe(2007). É profissional aprovado pela ANBID/Anbima (Associação Nacional dos Bancos de investimento) CPA-20. Administrador de empresas e Consultor do grupo Rovian. Também é consultor financeiro pessoal e de finanças empresariais. Docente do Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA) e do Programa de Mestrado Profissional em Gestão, Internacionalização e Logística (PMPGIL) da UNIVALI em matérias relacionadas a Métodos Quantitativos, Finanças e Investimentos Financeiros. Lecionou em nível de graduação no Grupo Uniasselvi/ASSEVIM (Kroton) entre 2008 e 2012. Também lecionou no Centro Universitário de Brusque - Unifebe (2012) e na Saint Paul Educacional em São Paulo/SP durante 2014. Atua como professor visitante em nível de especialização (MBAs) na Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI, UNOESC, SENAC, entre outras.

Citas

Aguilera, R.V., Desender, K., Bednar, M.K., e Lee, J.H. (2015). Connecting the Dots – bringing external corporate governance into the corporate governance puzzle. The Academy of Management Annals, 9(1), 483-573.

Amarante, J.M., Crubellate, J. M. e Meyer JR, V. (2016). Estratégias em Universidades: uma análise comparativa sob a perspectiva institucional. Revista Gestão Universitária na América Latina - Gual, 10(1), 190-212.

Andrade, A. e Rossetti, J.P. (2007). Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. São Paulo: Atlas.

Arruda, G.S., Madruga, S.R. e Freitas Junior, N.I. (2008). A governança corporativa e a teoria da agência em consonância com a controladoria. Revista de Administração da UFSM, 1(1).

Ávila, L.A.l. de, e Bertero, C. O. (2016). Governança no terceiro setor: um estudo de caso em uma fundação de apoio universitário. Revista Brasileira de Gestão de Negócios - RBGN, 18(59), 125-144.

Baldridge, J.V. (1971). Power and conflict in the university. New York: John Wiley & Sons.

BNDES, Banco Nacional do Desenvolvimento. (2001). Gerência de Estudos Setoriais - Geset. Terceiro Setor e Desenvolvimento Social: Relato Setorial Nº 3. Brasília: Bndes.

Bonisenha, C. N., e D’angelo, M. J. (2018). O Papel da Cultura Organizacional no Desempenho Operacional de uma Instituição de Ensino Superior à Luz dos Indicadores de Qualidade Sinaes. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 15(4), 307-327.

Brandão, I. F. e Crisóstomo, V. L. (2015). Concentração de propriedade e qualidade da governança da empresa brasileira. Revista Brasileira de Finanças, 13(3), 438-438.

Bueno, G., Nascimento, K., Lana, J., Gama, M. A. B., & Marcon, R. (2018). Mecanismos Externos de Governança Corporativa no Brasil. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, 21(1), 120-141.

Canito, F.O.F., Tassigny, M.M. e Almeida, F.P.B. (2014). Possibilidades de efetivação de práticas de governança em fundações privadas. Revista Brasileira de Administração Científica, 5(3), 305-326

Daily, C. M., Dalton, D. R., e Cannella, A. A., Jr. (2003). Corporate governance: Decades of dialogue and data. Academy of Management Review, 28(3), 371-382.

Denis, D. K. (2001). Twenty-five years of corporate governance research…and counting. Review of Financial Economics, 10(3), 191-212.

Dzięgiel, A. e Wojciechowska, A. (2016). Social Responsibility in Intra-organizational Procedures of Higher Education Institutions with AACSB Accreditation. Journal of Corporate Responsibility And Leadership, Toruń, Poland, 3(2), 23-50.

Eisenhardt, K. M. (1989). Agency Theory: An Assessment and Review. Academy of management review, 14(1), 57–74.

Flórez-Parra, J. M., López-Pérez, M. V., e López-Hernández, A. M. (2019). Corporate governance in Colombian universities. International Review of Administrative Sciences, 85(3), 544-565.

Gillan, S. e Starks, L. (1997). Relationship Investing and Shareholder Activism by Institutional Investors. Working paper, Austin: University of Texas.

Grings, P. F. e Vier, A. J. (2019). Governança corporativa em instituições de ensino superior privadas localizadas no Rio Grande do Sul. Revista Eletrônica do Curso de Ciências Contábeis, 9(2), 114-140.

Harvard Business Review (2019). Ativismo dos CEOs e benefícios para as marcas. Disponível em https://bit.ly/35Qovr0.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC. (2016). Guia das Melhores Práticas para Organizações do Terceiro Setor: Associações e Fundações. Disponível em: https://bit.ly/3dB1ZVS.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC. (2019). Código das melhores práticas de governança corporativa. Disponível em:

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). (2017). Sinaes. O que é o Sinaes. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/sinaes. Acesso em: 13 jan. 2020.

International Higher Education (2014). Ativismo estudantil permanece como uma força poderosa em todo o mundo. Disponível em https://bit.ly/3cnCZkF.

Jensen, M. e Meckling, W. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency cost, and ownership structure. Journal os Financial Economics, 305-360.

Jung, H., Fossatti, P. e Marlon Monticelli, J. (2019). Profile of managers in brazilian Community Universities. Revista Educação em Questão, 57(54).

Kreuzberg, F. e Vicente, E. F. R., (2019). Para onde Estamos Caminhando? Uma Análise das Pesquisas em Governança Corporativa. Revista de Administração Contemporânea, 23(1), 43-66.

Kollock, P. (1999). The Economies of Online Cooperation: Gifts and Public Goods in Cyberspace, in Smith, M. A., P. Kollock. (eds) Communities in Cyberspace. Routledge.

Laruccia, M., de Jesus Rodrigues, A., de Medeiros Pereira, M. L., e de Oliveira, V. B. (2012). Ensaio sobre a importância das mídias sociais nas organizações. Caderno de Administração. Revista da Faculdade de Administração da FEA, 6(1).

Lee, J. J., McNamara, G. M. e Koo, H. (2019). Examining a Cost of Shareholder Activism: Heightened General Investor Uncertainty. In Academy of Management Proceedings (Vol. 2019, No. 1, p. 12868). Briarcliff Manor, NY 10510: Academy of Management..

Lopes, L. A. C. e Bernardes, F. R. (2016). Estruturas administrativas das universidades brasileiras. In: Seminários de Administração - SEMEAD, 15., 2005, São Paulo. FEA USP, 2005. Disponível em https://bit.ly/2Wk5Qk4.

Luo, X. R., Zhang, J., e Marquis, C. (2016). Mobilization in the internet age: Internet activism and corporate response. Academy of Management Journal, 59(6), 2045-2068.

Mac Lennan, M. L. F.; Semensato, B. I., e Oliva, F. L. (2015). Responsabilidade Social Empresarial: Classificação das Instituições de Ensino Superior em Reativas ou Estratégicas sob a Ótica da Governança Corporativa. REGE - Revista de Gestão. São Paulo, v. 22, n. 4, p. 457-472.

Meyer Jr., V. e Mangolim, L. (2006). Estratégia em Universidades Privadas. In: Estratégia em universidades privadas: estudo de casos. Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração (ENANPAD), 30.

Meyer Jr, V. e Lopes, M. C. B. (2015). Administrando o imensurável: uma crítica às organizações acadêmicas. Cad. Ebape.br, 13(1), 40-51.

Mello, M. da S. de, e Silva, R. de O. da. (2018). Práticas de governança corporativa em instituições de ensino superior: um estudo de caso em uma universidade de santa catarina. Revista de administração e contabilidade - RAC (CNEC), 33, 68-80.

Mendes, A. P. S. (2001). Teoria da agência aplicada à análise de relações entre os participantes dos processos de cooperação tecnológica universidade-empresa. Tese (Doutorado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil.

Mendonça, L.R. (2003). A decisão entre manter as práticas de atuação social vinculadas à estrutura organizacional ou constituir uma fundação ou instituto. Dissertação (Mestrado) — Faculdade de Economia, Administração e

Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Mendonça, L. R., Machado Filho, C. A. P. (2004). Governança nas organizações do terceiro setor: considerações teóricas. Revista de Administra&ccdeil, 39(4), 302-308.

Moore, D. A., Tetlock, P. E., Tanlu, L., & Bazerman, M. H. (2006). Conflicts of interest and the case of auditor independence: moral seduction and strategic issue cycling. Academy of Management Review, 31(1), 1-20.

Mulili, B. M. e Wong, P. (2011). Corporate governance practices in developing countries: The case for Kenya. International journal of business administration, 2(1), 14.

Punsuvo, F. R., Kayo, E. K., e Barros, L. A. B. D. C. (2007). O ativismo dos fundos de pensão e a qualidade da governança corporativa. Revista Contabilidade & Finanças, 18(45), 63-72.

Santos, A. P. dos. (2008). Governança corporativa e desempenho em instituições privadas de ensino superior: um estudo de caso em Minas Gerais. Revista de Contabilidade da UFBA, 2(3), 79-94.

Silva Jr, A. (2006). Trajetória de crescimento, governança corporativa e gestão universitária: estudo de caso em três instituições de educação superior do tipo familiar. Tese de Doutorado. Tese (Doutorado) Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Tavares, S. M. N. (2009). Governança em universidades confessionais no Brasil: modelo em construção. Educação & Linguagem, 12(19), 219-238.

Taylor M. (2012). Governança compartilhada na universidade moderna. Higher Education Quarterly, 67, 80-94.

Vargas, L. H. F., Bortolon, P. M., Barros, L. A. B. C., e Leal, R. P. C. (2018). Recent activism initiatives in Brazil. International Journal of Disclosure and Governance. https://doi.org/10.1057/s41310-018-0035-1.

Vilela, A.L.N. (2016). Governança Corporativa em uma Instituição de Ensino Superior Privada: Um Estudo de Caso. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em Sistemas de Gestão, Universidade Federal Fluminense, Niterói Rj, Brasil.

Vilela, A.L.N. e Veloso, L.H.M. (2014). Governança corporativa nas instituições de ensino superior. In: XIV Colóquio Internacional de Gestão Universitária – CIGU, dez, 2014, Florianópolis. Anais... Florianópolis.

Weston, J. F. e Brigham, E. (2004). Fundamentos da administração financeira. 10. ed. São Paulo: Pearson Makron Books.

Publicado
2020-05-20
Cómo citar
Siedschlag, D., & Lana, J. (2020). Mecanismos de gobernanza en universidades sin fines de lucro: un ensayo teórico. Revista Iberoamericana De Educación, 83(1), 163-186. https://doi.org/10.35362/rie8313764
Sección
- La gobernanza de los sistemas educativos en Iberoamérica