Enseñanza de la Física para personas con discapacidad visual: análisis de trabajos presentados en eventos científicos brasileños entre 2013 y 2017

Palabras clave: enseñanza de la física; educación especial; educación inclusiva; discapacidad visual; eventos científicos

Resumen

Este trabajo presenta un estudio en el área de Enseñanza de la Física y Educación Especial, con foco en la enseñanza de la Física a personas con discapacidad visual. El estudio tuvo como objetivo identificar, desde un punto de vista didáctico, si los artículos científicos presentados en los últimos cinco años en los eventos científicos brasileños de Enseñanza de la Física (EPEF y SNEF) y Enseñanza de las Ciencias (ENPEC) están en consonancia con una educación verdaderamente inclusiva. Para cumplir con este objetivo, se realizó una búsqueda bibliográfica en las actas y en las actas de los hechos, disponibles en línea, utilizando el Análisis de Contenido como técnica de análisis de datos, mediante un enfoque cualitativo. Los resultados indicaron un valor mucho más bajo de lo esperado en comparación con el número de estudios analizados. Concluimos que los estudiantes de pregrado, docentes de educación básica e investigadores en Enseñanza de la Física deben revisar sus prácticas docentes a fin de desarrollar una actividad educativa legítimamente inclusiva.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Maxiwilian Sant’Ana Polverini, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Brasil

Departamento de Ciências da Natureza, Matemática e Educação (DCNME), Araras, SP, Brasil.

Estefano Vizconde Veraszto, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Brasil

Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGEdCM), Araras, SP, Brasil.

Físico e Doutor em Educação, Ciência e Tecnologia pela UNICAMP com estágio na Universidade Complutense de Madrid. Professor Adjunto da Universidade Federal de São Carlos, Departamento. de Ciências da Natureza, Matemática e Educação, Campus Araras. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Natureza e Matemática. Especialista em Ambientes Virtuais de Aprendizagem e em Indicadores e Estatísticas Educativas.

José Tarcísio Franco de Camargo, Centro Regional Universitário de Espírito Santo do Pinhal (UNIPINHAL), Brasil

Possui graduação em Engenharia Elétrica pela Universidade Estadual de Campinas(1989), graduação em Curso Superior de Licenciatura em Pedagogia pelo Centro Universitário Internacional UNINTER(2015), especialização em Especialização em Formação Docente para EaD pelo Centro Universitário Internacional UNINTER(2019), mestrado em Engenharia Elétrica pela Universidade Estadual de Campinas(1992) e doutorado em Engenharia Elétrica pela Universidade Estadual de Campinas(1995). Atualmente é Professor do Centro Regional Universitário de Espírito Santo do Pinhal, Professor do Centro Guaçuano de Educação Profissional "Governador Mário Covas", Membro de corpo editorial da Interciência e Sociedade - Fac. Municipal "Professor Franco Montoro" e Coordenador de Educação a Distância do Centro Regional Universitário Espírito Santo do Pinhal. Tem experiência na área de Ciência da Computação.

Brena Santana Zanzarini Nahum, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Brasil

Departamento de Ciências da Natureza, Brasil

Citas

Amaral, L.A. (2002). Diferenças, estigma e preconceito: o desafio da inclusão. In: M. K. de Oliveira, T. C. Rego, D. Tr. R. Souza (orgs.). Psicologia, educação e as temáticas da vida contemporânea. São Paulo: Moderna, 233-248.

Andrés, A. (2014). Pessoas com deficiência nos censos populacionais e educação inclusiva. Brasília: Câmara dos Deputados. Disponível em https://bit.ly/3l0c83k.

Anjos, P. T. A.; Camargo, E. P. (2011). Didática multissensorial e o ensino inclusivo de ciências. Revista de la Facultad de Ciencia y Tecnologia, 17(especial), 192-196.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70.

Brasil (1988). Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado.

Brasil (1996). Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília.

Brasil (2002). Ministério da Educação. Portaria nº 2.678 de 24 de Setembro de 2002. Disponível em https://bit.ly/3ehQ8iY.

Brasil (2004). Casa Civil. Decreto nº 5.296 de 2 de Dezembro de 2004. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em https://bit.ly/38lXWfA.

Brasil (2018). Ministério da Educação (MEC). Censo Escolar 2017: Notas Estatísticas. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Disponível em https://bit.ly/3bsFcgt.

Camargo, E.P. (2008). Ensino de Física e deficiência visual: dez anos de investigações no Brasil. São Paulo: Plêiade / FAPESP.

Camargo, E.P. (2012). Saberes docentes para a inclusão do aluno com deficiência visual em aulas de Física. São Paulo: Editora Unesp.

Camargo, E.P. (2016a). Inclusão, multissensorialidade, percepção e linguagem. In: CAMARGO, E.P. Inclusão e necessidade especial: compreendendo identidade e diferença por meio do ensino de física e da deficiência visual. São Paulo: Editora Livraria da Física.

Camargo, E.P. (2016b). Saberes docentes mobilizados nos contextos da formação em licenciatura em física e dos estudantes com e sem deficiência visual. Tese (livre-docência) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira. Disponível em http://bit.ly/30qZzUZ

Camargo, E.P., Nardi, R. & Correia, J.N. (2010). A comunicação como barreira à inclusão de alunos com deficiência visual em aulas de Física Moderna. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 10(2), 1-18.

Carvalho, A.M.P. & GIL-Pérez, D. (2011). Formação de professores de Ciências: tendências e inovações. São Paulo: Cortez.

Carvalho, A.M.P. & Sasseron, L.H. (2018). Ensino e aprendizagem de Física no Ensino Médio e a formação de professores. Estudos Avançados, 32(94), 43-55.

Gil, A. C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Gil-Pérez, D. & Vilches, A. (2005). Importância da Educação Científica na Sociedade Actual. In: A. Cachapuz, D. Gil-Perez, A.M.P. Carvalho, J. Praia & A. Vilches (2005). A Necessária renovação do ensino das ciências, pp. 19-34 São Paulo: Cortezm.

Marconi, M.A & Lakatos, E.M. (2017). Fundamentos de Metodologia Científica. 8. ed. São Paulo: Atlas.

Mendes, E.G. (2006). A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, 11(33), 387-405.

Nuernberg, A.H. (2008). Contribuições de Vigotski para a educação de pessoas com deficiência visual. Psicologia em estudo, 13(2), 307-316.

Oliveira, L. M. B. (2012). Cartilha do Censo 2010: Pessoas com Deficiência. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) / Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD) / Coordenação-Geral do Sistema de Informações sobre a Pessoa com Deficiência. Disponível em https://bit.ly/3sYMTky.

Oliveira, G.A., Dias, E.M.C. & Libardi, H. (2013). O ensino da física para a educação inclusiva: relato de um experimento com deficiente visual. In: Atas do Simpósio Nacional de Ensino de Física 2013. São Paulo: Sociedade Brasileira de Física. Disponível em https://bit.ly/2OAlNBx.

Omote, S. (1986). A deficiência como fenômeno socialmente construído. UNESP. Marília.

Richardson, R.J., Peres, J.A.S., Wanderley, J.C.V., Correia, L.M., Peres, M.H.M. (2012). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas

Torres, E. F.; Mazzoni, A. A.; Mello, A. G. (2007). Nem toda pessoa cega lê em Braille nem toda pessoa surda se comunica em língua de sinais. Educação e Pesquisa, 33(2), 369-385.

Veraszto, E.V., Camargo, E.P, Camargo, J.T.F., Simon, F.O. & Miranda, N.A. (2018a). Evaluation of concepts regarding the construction of scientific knowledge by the congenitally blind: an approach using the Correspondence Analysis method. Ciência & Educação, 24, 837-857.

Veraszto, E. V., Camargo, E. P., Camargo, J. T. F., Simon, F. O., Yamaguti, M. X. & Souza, A. M.M. (2018b). Conceitualização em ciências por cegos congênitos: um estudo com professores e alunos do ensino médio regular. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias,17, 540-563.

Vigotski, L.S. (1997). Obras Escogidas: V Fundamentos de Defectología. Editora Aprendizaje Visor: Madrid.

Yamazaki, S.C., Angotti, J.A.P. & Delizoicov, D. (2017). Aprender como Ensinar Física através do Livro Texto de Ciclo Básico Universitário: um Fenômeno Didático em questão. Amazônia - Revista de Educação em Ciências e Matemática,13(28),5-22.

Zatti, V. (2007). Autonomia e educação em Immanuel Kant e Paulo Freire. Porto Alegre: EDIPUCRS. Disponível em https://bit.ly/30vbelD.

Cómo citar

Polverini, M. S., Veraszto, E. V., Camargo, J. T. F. de, & Santana Zanzarini Nahum, B. (2021). Enseñanza de la Física para personas con discapacidad visual: análisis de trabajos presentados en eventos científicos brasileños entre 2013 y 2017 . Revista Iberoamericana De Educación, 85(2), 95-118. https://doi.org/10.35362/rie8523794
Publicado
2021-03-15
Sección
- Didáctica de las Ciencias y la Matemática