Grado en ciencias de la actividad física y del deporte: ¿qué comprensión tienen los alumnos egresados con relación al fenómeno cuerpo/corporeidad?

Palabras clave: cuerpo; corporeidad; alumnos concluyentes; grado en ciencias de la actividad física y del deporte.

Resumen

Este artículo, que discute el fenómeno cuerpo/corporeidad, tuvo por objetivo general identificar, por medio del discurso de alumnos concluyentes, cuál es el sentido de cuerpo y cómo este alumno concluyente ejercita su acción profesional junto a su alumno/cliente. Esta investigación fenomenológica utilizó la técnica de elaboración y análisis de unidades de significado. Participaron 29 alumnos concluyentes. A partir del análisis de los discursos de la Pregunta 1, fueron establecidas nueve unidades de significado, y la que tuvo mayor incidencia fue “El cuerpo como estructura anatomofisiológica” (24,13%). Con relación a la Pregunta 2, fueron identificadas siete unidades de significado, siendo la principal la unidad “De acuerdo con lo aprendido en el curso universitario” (48,27%). En esencia, el sentido de cuerpo, de la mayoría de los alumnos concluyentes, está calcado por medio de una visión tradicional y en el modelo cartesiano, con énfasis en el paradigma biologicista y visión mecanicista. 

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Weisiana Santana de Castro Paiva, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Brasil

Mestranda no Programa de Pós-graduação em Educação Física da Universidade Federal do Triângulo Mineiro -UFTM

Wagner Wey Moreira, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Brasil

Bolsista de Produtividade CNPq.

Citas

Aranda, R. A., Pereira, A. M., Palma, J. A. & Palma, A. P. T. V. (2012). A concepção de corpo dos estudantes de graduação em educação física, Motriz: Revista de Educação Física, 18(4), 735-747, out./dez. Disponível em https://bit.ly/3asgvAz

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bruyne, P. de, Herman, J. & Schoutheete, M. de. (1991). Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: Os pólos da prática metodológica. (5ª ed.). Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Caminha, I. de O. (2019). Eu, a educação física e Merleau-Ponty. Em T. P. da Nóbrega & I. de O. Caminha (Orgs.), Merleau-Ponty e a educação física (57-67). São Paulo: LiberArs.

Cardinalli, I. E. (2003). O “corpo” segundo Heidegger e Boss. Em D. S. P. de Castro, J. D. Piccino, R. de S. Josgrilberg & T. A. Goto (Orgs.), Corpo e existência (249-254). São Paulo: Umesp-Fenpec.

Conselho Federal de Educação (Brasil). (1987). Resolução n° 3, de 16 de junho de 1987. Fixa os mínimos de conteúdo e duração a serem observados nos cursos de graduação em Educação Física (Bacharelado e/ou Licenciatura Plena). Diário Oficial: República Federativa do Brasil: seção 1, Brasília, DF, ano 322(172), 14682, 10 set.

Conselho Nacional de Educação (Brasil). (2004). Câmara de Educação Superior. Resolução n° 7, de 31 de março de 2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física, em nível superior de graduação plena. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 141(65), 18-19, 5 abr.

Conselho Nacional de Educação (Brasil). (2007). Câmara de Educação Superior. Resolução n° 7, de 4 de outubro de 2007. Altera o § 3° do art. 10 da Resolução CNE/CES n° 7/2004, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física, em nível superior de graduação plena. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 144(193), 49, 5 out.

Conselho Nacional de Educação (Brasil). (2018). Câmara de Educação Superior. Resolução n° 6, de 18 de dezembro de 2018. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Educação Física e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 155(243), 48-49, 19 dez.

España. Ministerio de Ciencia, Innovación y Universidades. (2018). Resolución nº 12774, de 18 de septiembre de 2018. Se establecen recomendaciones para la propuesta por las universidades de memorias de verificación del título oficial de Grado en Ciencias de la Actividad Física y del Deporte. Boletín Oficial del Estado: sec. III, [Madrid], n. 228, p. 91209-91217, 20 sept.

Gallo, S. (2006). Corpo ativo e filosofia. Em W. W. Moreira (Org.), Século XXI: A era do corpo ativo (9-30). Campinas: Papirus.

Gallo, S. & Zeppini, P. S. (2016). “O que pode um corpo?”: perspectivas filosóficas para a corporeidade. Em W. W. Moreira & V. L. Nista-Piccolo (Orgs.), Educação física e esporte no século XXI (107-131). Campinas: Papirus.

Giorgi, A. (1978). A psicologia como ciência humana: Uma abordagem de base fenomenológica. Belo Horizonte: Interlivros.

Inforsato, E. do C. (2006). A educação entre o controle e a libertação do corpo. Em W. W. Moreira (Org.), Século XXI: A era do corpo ativo (91-108). Campinas: Papirus.

Lüdorf, S. M. A. (2004). Do corpo design à educação sociocorporal: O corpo na formação de professores de educação física (Tese de doutorado não publicada). Faculdade de Educação, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil.

Martins, J. & Bicudo, M. A. V. (1989). A pesquisa qualitativa em psicologia: Fundamentos e recursos básicos. São Paulo: Ed. Moraes: EDUC – Ed. da PUC-SP.

Medina, J. P. S. (1987). O brasileiro e seu corpo. Campinas: Papirus.

Medina, J. P. S. (2001). A educação física cuida do corpo... E “mente”. (15ª ed). Campinas: Papirus.

Merleau-Ponty, M. (1990). O primado da percepção e suas conseqüências filosóficas. Campinas: Papirus.

Merleau-Ponty, M. (1991). Signos. São Paulo: Martins Fontes.

Merleau-Ponty, M. (2004). O olho e o espírito. São Paulo: Cosac & Naify.

Merleau-Ponty, M. (2007). O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva.

Merleau-Ponty, M. (2018). Fenomenologia da percepção. Tradução Carlos Alberto Ribeiro de Moura. (5ª ed). São Paulo: WMF Martins Fontes. (Biblioteca do pensamento moderno).

Morais, J. F. R. de. (2014). Consciência corporal e dimensionamento do futuro. Em W. W. Moreira (org.), Educação física & esportes: Perspectivas para o século XXI (71-87). (17ª ed). Campinas: Papirus.

Moreira, W. W. (1995). Corpo presente num olhar panorâmico. Em W. W. Moreira (Org.), Corpo pressente (17-36). Campinas: Papirus. (Coleção Corpo e motricidade).

Moreira, W. W. (2019). Merleau-Ponty na sala de aula e na beira do campo: Contribuições para a área da educação física/esportes. Em: T. P. da Nóbrega & I. de O. Caminha (Orgs.), Merleau-Ponty e a educação física (21-37). São Paulo: Editora LiberArs.

Moreira, W. W. & Simões, R. (2016). Educação física, esporte e corporeidade: Associação indispensável. Em W. W. Moreira & V. L. Nista-Piccolo (Orgs.), Educação física e esporte no século XXI (133-149). Campinas: Papirus

Moreira, W., Simões, R. & Porto, E. (2005). Análise de conteúdo: Técnica de elaboração e análise de unidades de significado. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 13(4), 107-114.

Nóbrega, T. P. da. (2010). Uma fenomenologia do corpo. São Paulo: Livraria da Física.

Oliveira, V. M. de. (1987). Ginástica para a alma, música para o corpo. Em V. M. de Oliveira (Org.), Fundamentos pedagógicos educação física: Flexões e reflexões (62-73). Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico. (Coleção Educação física. Série Aperfeiçoamento. Fundamentos pedagógicos, 2).

Rouanet, S. P. (2003). O homem-máquina hoje. Em A. Novaes (Org.), O homem-máquina: A ciência manipula o corpo (37-64). São Paulo: Companhia das Letras.

Santin, S. (2014). Perspectivas na visão da corporeidade. Em W. W. Moreira (Org.), Educação física & esportes: Perspectivas para o século XXI (51-69). (17ª ed). Campinas: Papirus.

Silva, A. C., Lüdorf, S. M. A., Silva, F. A. G. da & Oliveira, A. P. de. (2009). A visão de corpo na perspectiva de graduandos em educação física: Fragmentada ou integrada? Movimento, 15(3), 109-126, jul./set.

Silva, J. B. F. da. (1987). Rumo ao universo... do corpo. Em V. M. de Oliveira (Org.), Fundamentos pedagógicos educação física: Flexões e reflexões (48-54). Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico. (Coleção Educação física. Série Aperfeiçoamento. Fundamentos pedagógicos, 2).

Souza, S. G., Schmidt, A., Santo, M. G. & Montalvão, V. de O. (2011). Visão de corpo dos graduandos em bacharelado do curso de Educação Física de uma instituição de ensino superior privada de Goiânia. Lecturas: Educación Física y Deportes, 15(153), fev. Disponível em https://bit.ly/3qGqp7n

Cómo citar

Botelho, R. G., Santana de Castro Paiva, W., & Wey Moreira, W. (2021). Grado en ciencias de la actividad física y del deporte: ¿qué comprensión tienen los alumnos egresados con relación al fenómeno cuerpo/corporeidad? . Revista Iberoamericana De Educación, 85(2), 27-52. https://doi.org/10.35362/rie8523938
Publicado
2021-03-15
Sección
- Educación física
Bookmark and Share