A história da escravidão em diálogo com a educação popular

  • Tiago Zanquêta de Souza Universidade de Uberaba (UNIUBE), Brasil
  • Valéria Vasconcelos de Oliveira Universidade de Uberaba (UNIUBE), Brasil
Palabras clave: Histórias de vida, Escravidão, Educação popular

Resumen

A Educação Popular é uma práxis que contribui para que as pessoas possam “tomar a história nas mãos”, na luta por garantir que as parcelas discriminadas da sociedade tenham direito a vez e voz, denunciando práticas opressoras e anunciando formas de superação da realidade. O objetivo geral dessa pesquisa foi o de resgatar a história da escravidão em Uberaba/Minas Gerais/Brasil, para, em seguida, dialogando com a Educação Popular, se pensar a escravidão a partir do colonialismo latino-americano e apresentar uma nova forma de contar e (re)contar a história. A metodologia baseou-se na pesquisa documental e nas histórias de vida e foi dividida em três momentos: levantamento e análise de documentos constantes no Arquivo Público da cidade, que tratam da escravidão nesse município; escuta da história de vida da senhora Maria Luzia, moradora da cidade, neta de escravos. Análise dos dados a partir de seus conteúdos, e organização em eixos temáticos previamente estabelecidos, quais sejam: escravidão, dominação, resistência, libertação e educação.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

BOAS, F. Raça e Progresso [1931]. In: CASTRO, C. (Org.). Franz Boas. Antropologia Cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004, p. 67-86.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Diário de Campo: a antropologia como alegoria. São Paulo: Editora Brasilienses, 1982.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Lutar com a palavra: escritos sobre o trabalho do educador. 2.ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

CAVALLEIRO, Eliane. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: educação e poder, racismo, preconceito e discriminação na Educação Infantil. São Paulo: Summus, 2000.

DUSSEL, Enrique. O encobrimento do outro. Petrópolis: Vozes, 1993.

FILICE, Renísia Cristina Garcia. Raça e Classe na Gestão da Educação Básica Brasileira. São Paulo: Autores Associados Editora, 2011.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. 6.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. 29.ed. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

FREIRE, Paulo. Política e educação. São Paulo: Cortez, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. 6.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 1989.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 11.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1980.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação. 5.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

GOMES, Alessandra Caetano. Os Pretos forros do Sertão da Farinha Podre: Um caso de equilíbrio entre os sexos dos libertos de Uberaba-MG 1840-1888. XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP. Campinas: Unicamp, 2004.

GOMES, Laurentino. 1808 – Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2007.

MATURANA, Humberto. Emoções e Linguagem na Educação e na Política. Trad.: José Fernando Campos Fortes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

MOTTA, José Flavio. Corpos escravos, vontades livres: posse de cativos e família escrava em Bananal (1801- 1829). São Paulo: FAPESP: Anna Blume, 1999.

OLIVEIRA, Maria Waldenez de. Pesquisa e trabalho profissional como espaços e processos de humanização e de comunhão criadora. Cad. Cedes, Campinas, vol. 29, n. 79, p. 309-321, set./dez. 2009.

PALUDO, Maria Conceição. Educação Popular: em busca de alternativas. Ed. Tomo

Editorial, 2001.

ROSSATO, Ricardo. Domesticação. In. STRECK, Danilo R.; REDIN, Euclides; ZITKOSKI, Jaime José. Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

SAMARA, Eni de Mesquita; TUPY, Ismênia Spínola Silveira Truzzi. História & Documento e metodologia de pesquisa. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. 168 p.

SILVA, Nelson do Valle. O preço da cor: diferenciais raciais na distribuição da renda no Brasil, em pesquisa e planejamento econômico. Rio de Janeiro, 10: 21-24, abril de 1980.

SOUZA, Marina de Mello e. África e Brasil africano. São Paulo: Ática, 2007.

STRECK, Danilo R. Pedagogia no encontro de tempos. Petrópolis: Vozes, 2001.

TYLOR, E. B. A Ciência da Cultura [1871]. In: CASTRO, C. Evolucionismo Cultural: textos de Morgan, Tylor e Frazer. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005, p. 69-99.

VALLA, Victor Vincent. A crise de interpretação é nossa: procurando compreender a fala das classes subalternas. Educação & Realidade. Jul./dez. 1996.

VON SIMSON, Olga Rodrigues de Moraes. Contribuições da história oral em processos de transformação social e empoderamento de grupos. In. WELLER, Wivian; PFAFF, Nicolle. Metodologias da pesquisa qualitativa em educação: teoria e prática. Petrópolis: Vozes, 2010.

WHITAKER, Dulce C. A.; FIAMENGUE, Elis C. Ciência e Ideologia: as armadilhas do preconceito. In. WHITAKER, Dulce C. A. Sociologia Rural: questões metodológicas emergentes. São Paulo: Letras à Margem, 2002.

Cómo citar

Zanquêta de Souza, T., & Vasconcelos de Oliveira, V. (2013). A história da escravidão em diálogo com a educação popular. Revista Iberoamericana De Educación, 63(2), 8. https://doi.org/10.35362/rie632648
Publicado
2013-11-15
Sección
- Educación no/in-formal