Educação ambiental e/ou educação para o desenvolvimento sustentável? Uma análise centrada na realidade portuguesa

  • Mário Freitas Universidad do Minho, Braga, Portugal.
Palabras clave: educación ambiental, Portugal

Resumen

En el texto se destaca que la EA en Portugal tiene una rica historia, que comenzó a ser explorada en 1975: Proyectos escolares, dinamización de las poblaciones, publicaciones, y voluntad política para cuestiones del ambiente, entre otros indicadores. Una evaluación detallada de los proyectos de la ea desarrollados en Portugal a lo largo de más de treinta años, se completa con un análisis de cuestionarios. El artículo señala, además, la situación actual y las perspectivas futuras de la Educación Ambiental (EA), en donde no pueden dejar de considerarse tres aspectos esenciales, bastante interrelacionados: a) el beneficio y las deficiencias, que, hasta este momento, le caracterizan; b) las exigencias consideradas por la profunda crisis que debilita nuestro mundo; y, c) el debate acerca de la emergencia de la Educación para el Desarrollo Sostenible (eds) y de las eventuales interrelaciones entre estas dos perspectivas educativas.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Mário Freitas, Universidad do Minho, Braga, Portugal.

Subdirector del Instituto de Educación y Psicología de la Universidad do Minho, Braga, Portugal.

Citas

BIBLIOGRAFIA

Brügger, P. (2004): Educação ou adestramento ambiental? Florianópolis, Letras Contemporâneas.

Capra, F. (2003): As conexões ocultas. Ciência para uma vida sustentável, 3.ª edição, São Paulo, Cultrix.

Caride, J. A., e Meira, P. (2004): Educação ambiental e desenvolvimento humano, Lisboa, Instituto Piaget.

Damásio, A. (1995): O erro de Descartes, Lisboa, Publicações Europa-América.

Edelman, G. (1995): Biologia da consciência, Lisboa, Instituto Piaget.

EPD/UNESCO (1999): Sustainable Development. Education the Force of Change, Caracas, EPD/Unesco.

Fien, J., e Tilbury, D. (2002): «The Global Challenge of Sustainability», in D. Tilbury, R. Stevenson, J. Fien e D. Schreuder (eds.): Education and Sustainability: Responding to the Global Challenge, pp. 1-12, Comission on Education and Communication, iucn, Gland, Suiza e Cambridge.

Freitas, M. (2005a): «Educação para o Desenvolvimento Sustentável: sugestões para a sua implementação no âmbito da Década das Nações Unidas», in Actas Electrónicas do VIII Congresso Galaico-Português de PsicoPedagogia, pp. 1473-1488.

— (2005b): «Da educação ambiental à educação para o desenvolvimento sustentável: domínios de actuação e investigação», in Actas das Jornadas da aspea, Lisboa.

— (2004a): «Concepções de desenvolvimento sustentável em estudantes de uma licenciatura em educação, em Portugal. Implicações para a reorientação curricular no âmbito da década das un», in Actas do I Congresso Internacional Educación, Lenguaje y Sociedad, Tensiones Educativas en América Latina .

— (2004b): «A educação para o desenvolvimento sustentável e a formação de educadores/professores», in Perspectivas, vol. 22, n.º 2, pp. 547-575, Florianópolis, ufsc.

— (2001): «A ancestral sustentabilidade da ocupação humana da montanha como inspiradora de um moderno conceito de desenvolvimento sustentável. O caso concreto do pnpg e seu potencial heurístico de globalização», in Actas da Reunión Internacional de Expertos en Educación Ambiental. Nuevas propuestas para la acción, pp. 609-614, Santiago de Compostela, Xunta de Galicia, Consellería de Medio Ambiente.

— (2000): A educação ambiental (e para a sustentabilidade) como projecto, in Actas das III Jornadas de Educação para o Ambiente, pp. 45-72, Viana do Castelo, Câmara Municipal.

— (1996): Contribuição para a definição da natureza e âmbito da educação ambiental. Actas do 7.º Encontro de Educação Ambiental, Funchal, ipamb.

Henderson, K., e Tilbury, D. (2004): «Whole-School Approaches to Sustainability: An International Review of Sustainable School Programs», in Report Prepared by the Australian Research Institute in Education for Sustainability (aires) for the Department of the Environment and Heritage, Australian Government, Sydney, aires, Macquarie University.

Hesselink, F.; Kempen, P., e Walls, A. van (2000): edsdebate, Suiza, Gland e Cambridge, iucn.

Hopkins, C., e McKeown, R. (2002): «Education for Sustainable Development: An International Perspective», in D. Tilbury, e outros (eds.): Education and Sustainability. Responding to the Global Challenge, pp. 13-24, Suiza, Gland e Cambridge, cec/iucn.

Jiménez Herrero, L. (1997): Desarrollo sostenible y economía ecológica, Madrid, Síntesis.

Leff, E. (2000): Epistemologia ambiental. São Paulo, Cortez.

Leite, S.; Freitas, M., e Séneca, A. (2005): «Promoting Education d+for Sustainable Development Trough Communitarian Problem Soolving. A Case Study in the National Park of Peneda-Gerês», in W. Leal Filho (ed.): Handbook of Sustainability Research, vol. 20, cap. 23, pp. 595-622, Frankfurt am Main, Peter Lang / GmbH.

Maturana, H., e Varela, F. (1990): El árbol del conocimiento, 1.ª edição, Madrid, Editorial Debate.

Mayor, F. (1999): «The Role of Culture in Sustainable Development», in edp/unesco (ed.): Sustainable Development. Education the Force of Change, pp. 11-15, Caracas, edp/Unesco.

McKeown R., e Hopkins C. (2002): «Education for Sustainable Development. An International Perspective», in Environmental Education Research, vol. 9, n.º 1, pp. 117-128.

Mette de Viser, A. (ed.) (2002): «Sustainable is More Than Able. Viewpoints on Education for Sustainability», in: Network for Ecological Education and Practice, pp. 1-44, Ollerup.

Miranda, M. do C., e Freitas, M. (2001): «Atitudes de alunos e professores face ao ambiente e sua defesa», in Biologia, p. 227-238, Portugal.

Morin, E. (1999): «The Reform of the University», in edp/unesco (ed.): Sustainable Development. Education the Force of Change, 1.ª edição, pp. 17-25, Caracas, edp/unesco.

Novo, M. (1996): La educación ambiental. Bases éticas, conceptuales y metodológicas. Madrid, Universitas.

Sarukhan, J., e Whyte, A. (2005): Millenium Ecosystem Assessment Synthesis Report, www. milleniumassessment.org

Scoullos, M. (1998): Education Society and Public Awareness for Sustainability. Proceedings of the Thessalonic, 8-12 de Dezembro 1997, Atenas, mioecsde, Ministério da Educação e Ministério de Desarrollo.

Teixeira, F. (2003): Educação ambiental em Portugal, Lisboa, lpn.

Tilbury, D., e Wortman, D. (2004): Engaging People in Sustainability, Gland e Cambridge, Comission on Education and Communication, iucn.

UNESCO (2004): United Nations Decade of Education for Sustainable Development. International Implementation Scheme, http://portal.unesco.org/education

Notas:

1) Com apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (fct), Portugal.

2) Ministério do Equipamento Social e do Ambiente (I, II, III, IV e V Governos Provisórios).

3) Entrevista concedida a Cristina Baptista, Cadernos de Educação Ambiental, n.º 29, Junho de 2000.

4) Instituto Nacional do Ambiente, que só em 1989, sob tutela da Secretaria de Estado do Ambiente e Recursos Naturais (Ministério do Planeamento e da Administração do Território), vê aprovada a sua Lei Orgânica.

5) Instituto de Promoção Ambiental.

6) Tinha, entretanto, já começado a emergir (a partir de 1992, ou mesmo um pouco antes, 1987) a perspectiva da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (eds). Em 1997, foi o Conselho Nacional de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Portugal é subscritor de acordos relativos à implementação da Década das Nações Unidas para a eds (deds) e, contudo a propósito desta matéria não aprovou, ainda, um documento estratégico. E isto apesar de Portugal ter sido um dos primeiros países europeus a realizar uma Conferencia Internacional sobre essa problemática, em Maio de 2004, por iniciativa do Departamento e Universidade a que pertenço.

7) A que tive a honra de pertencer.

8) Centrada em cerca de 180 itens, agrupados hierarquicamente segundo vários grupos de indicadores, seleccionados de acordo com oito parâmetros qualitativos globais de avaliação: desenvolvimento geral do projecto, consecução dos objectivos, adequação das metodologias, desenvolvimento das actividades, avaliação, globalização, divulgação e custos.

9) Refinada com aplicação do teste de McNemar para pares de parâmetros, e Q de Cochran para grupos de parâmetros. Para as respostas aos questionários (escala tipo Likert) utilizaram-se o coeficiente de Spearman e o teste de Wilcoxon.

10) Em jornais locais ou nacionais (48%), desdobrável ou brochura (47%), jornais escolares (36%).

11) Respectivamente, 219 projectos em 1998, 242 projectos em 1999, e 240 projectos em 2000.

12) Celebrado simultaneamente, e em separado, no Rio de Janeiro.
Publicado
2006-05-01
Cómo citar
Freitas, M. (2006). Educação ambiental e/ou educação para o desenvolvimento sustentável? Uma análise centrada na realidade portuguesa. Revista Iberoamericana De Educación, 41, 133-147. https://doi.org/10.35362/rie410776
Sección
Artículos del monográfico