Asistencia social educativa para la infancia desvalida (Brasil, 1822-1889)

  • Maria Inês Sucupira Stamatto Universidade Federal do Rio Grande Do Norte (UFRN), Brasil
Palabras clave: infancia desvalida, Brasil Imperio, instituciones escolares, orfanato

Resumen

Se abordan, en este texto, experiencias escolares para la infancia desvalida en Brasil Imperial. Se ha tenido como objetivo sistematizar conceptos sobre la infancia desvalida así como realizar una reflexión sobre la atención social con acciones educativas para los niños considerados desfavorecidos, en el período de 1822-1889. Para la investigación se ha utilizado la legislación de la época referente al tema como fuente histórica. A partir del establecimiento del Código Penal en 1830, que formó parte del conjunto de leyes que organizó por primera vez la estructura administrativa del Estado brasileño, se pasó a tratar a los individuos menores de 14 años que no estaban bajo los cuidados de sus familias en categorías distintas: huérfanos, infractores, abandonados y desvalidos. Para los niños desvalidos, aquellos en que su familia certificara pobreza o que hubieran sido creados por instituciones de caridad, se instauraron dos tipos de establecimientos educativos de carácter de formación profesional: las Escuelas de Educandos Artífices y las Compañías de Aprendices Artífices para la carrera militar. Los diversos establecimientos para acoger huérfanos y abandonados fueron fundados por iniciativa del Estado y por iniciativa privada. Se destaca la estrecha relación entre el gobierno y las órdenes religiosas educativas, así como entre la administración gubernamental, la marina y el ejército brasileño en un esfuerzo por llevar a estos niños al mundo del trabajo.

Palabras clave: infancia desvalida; Brasil Imperio; instituciones escolares; orfanato.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Maria Inês Sucupira Stamatto, Universidade Federal do Rio Grande Do Norte (UFRN), Brasil

Programa de Pós-Graduação em Educação,Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brsail

Citas

Almeida, J. R. P. de (1989). História da Instrução Pública no Brasil (1500-1889). São Paulo: EDUC; Brasília, DF: INEP/MEC.

Arantes, A. S. (2008). Educação de Crianças Desvalidas na província de Pernambuco no Século XIX. In ANPED. Caxambu. Disponível em: http://31reuniao.anped.org.br/1trabalho/trabalho21.htm

Arantes, A. S. (2009). Colônia Orfanológica Isabel: uma escola para negros, índios e brancos (Pernambuco 1874-1889). Revista Brasileira da História da Educação, 20, maio/ago. p. 105-135.

Aulete, Caldas F. J. (1881). Diccionario Contemporâneo da Lingua Portugueza. Lisboa: Imprensa Nacional.

Brasil (1854). Decreto nº 1.331-a, de 17 de fevereiro de 1854. Approva o Regulamento para a reforma do ensino primario e secundario do Municipio da Côrte. Coleção de Leis do Império do Brasil. Rio de Janeiro: Typographia Nacional. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-1331-a-17-fevereiro-1854-590146-publicacaooriginal-115292-pe.html

Brasil (1878). Lei de 15 de outubro de 1827. Collecção das Leis do Império do Brazil de 1827. Rio de Janeiro: Typographia Nacional.

Brasil (1830). Lei de 16 de dezembro de 1830. Manda executar o Codigo Criminal. Coleção de Leis do Império do Brasil. Rio de Janeiro: Typographia Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LIM/LIM-16-12-1830.htm

Brasil (1841). Lei nº 243, de 30 de Novembro de 1841. Fixando a Despeza, e Orçando a Receita para o Exercicio do anno financeiro de 1842 - 1843. Coleção de Leis do Império do Brasil. Rio de Janeiro: Typographia Nacional. Disponível em: http://www.camara.gov.br/legin/fed/lei/1824-1899/lei-243-30-novembro-1841-561093-publicacaooriginal-84470-pl.html

Brasil (1842). Instrucções para execução, do Regulamento n. 113 de 3 de Janeiro de 1842, que deu nova organisação ás Companhias de Aprendizes Menores do Arsenal de Guerra. Coleção de Leis do Império do Brasil. Rio de Janeiro: Typographia Nacional. Disponível em: https://www.diariodasleis.com.br/legislacao/federal/202102-dando-nova-organisacao-as-companhias-de-aprendizes-menores-dos-arsenaes-de-guerra-em-conformidade-do-art-39-da-lei-n-243-de-30-de-novembro-de-1841.htm

Brasil (1842). Regulamento n. 113 - de 3 de Janeiro de 1842. Dando nova organisação ás Companhias de Aprendizes Menores dos Arsenaes de Guerra. Coleção de Leis do Império do Brasil. Rio de Janeiro: Typographia Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LIM/LIM-16-12-1842.htm

Botelho, A. V. e Reis, L. M. (2008). Dicionário Histórico Brasil, Colônia e Império. (6ª ed.) Belo Horizonte: Autêntica.

Crudo, M. A. (1999). Os Aprendizes do Arsenal de Guerra de Mato Grosso: Trabalho Infantil e Educação. (Tese de Doutorado), Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Crudo, M. A. (2000). Resistência e Disciplina em Mato Grosso (1842-1899). III Congresso Luso-brasileiro de História da Educação. Escola, culturas e identidades. Coimbra. Disponível em: http://sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe2/pdfs/Tema7/0763.pdf

Cunha, L. A. (2005). O Ensino de Ofícios artesanais e manufatureiros no Brasil escravocrata. (2. ed.) São Paulo: Editora UNESP.

Garcia, D. M. (2011). Desenvolvimento histórico da responsabilização criminal do menor infrator. Âmbito Jurídico, (XIV) n. 94. Disponível em: http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=10594

Gumieiro, F. (2013). As ordens religiosas e a construção sócio-política no Brasil: Colônia e Império. Tuiuti: Ciência e Cultura, 46, 63-78.

Lima, G. M. de (2008). O Collégio de Educandos Artífices – 1865-1874: A Infância Desvalida da Parahyba do Norte. (Dissertação de Mestrado), Programa de Pós-graduação em História, do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal da Paraíba – UFPB, João Pessoa, Brasil.

Moraes, C. S. V. (2000). A Normatização da Pobreza: Crianças abandonadas e crianças infratoras. Revista Brasileira de Educação, 15, 70-96.

Oliveira, A. de A. (2003). O Ensino Público. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial.

Sabino, E. B. (2012). A Assistência e a Educação de Meninas Desvalidas no Colégio Nossa Senhora do Amparo na Província do Grão-Pará (1860-1889). (Dissertação de Mestrado), Mestrado em Educação do Programa de Pós-Graduação em Educação do Instituto de Ciências da Educação, da Universidade Federal do Pará - UFPA, Belém, Pará, Brasil.

Saviani, D. (2007). História das Ideias Pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados.

Schuler, Alessandra (2002). Infância. In: Ronaldo Vainfas (org.). Dicionário do Brasil Imperial (1822-1889). Rio de Janeiro: Objetiva.

Silva, R. R. (2015). O cotidiano dos meninos internados no Seminário de Santana na cidade de São Paulo (1825-1874). Faces da História, 2(1), jan.-jun., 202-222.

Silva, R. G. da (2010). O Colégio de Educandos Artífices no Brasil-Império: As Raízes do Ensino Profissional para as crianças pobres em Alagoas (1854-1861). (Trabalho de Conclusão de Curso Pedagogia), Centro de Educação da Universidade Federal de Alagoas - UFA, Maceió, Alagoas, Brasil. Disponível em: http://www.cedu.ufal.br/grupopesquisa/gephecl/ocolegiodeeducandosartifices.df

Silva, Wa. F. da (2011). O destino dos filhos pobres, órfãos e enjeitados de Pernambuco: as Companhias de Aprendizes da Marinha (1847-1857). In Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH. São Paulo. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1296683656_ARQUIVO_TrabalhodoSimposioNacionalrevisadoIII.pdf

Tamura, S. T. (2013). De Aprendizes do Arsenal de Guerra (1842-1899) a Aprendizes da Escola de Artífices (1909-1941): algumas observações sobre a educação profissional de jovens e meninos na História da Educação de Mato Grosso. In Anais do VII Congresso Brasileiro de História da Educação, Circuitos e Fronteiras da História da Educação no Brasil. Cuiabá. Disponível em: http://sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe7/pdf/04%20HISTORIA%20DA%20EDUCACAO%20DAS%20CRIANCAS%20JOVENS%20E%20ADULTOS%20NO%20BRASIL/DE%20APRENDIZES%20DO%20ARSENAL%20DE%20GUERRA%20%281842-1899%29.pdf

Trufem, S. F. B. e Etchebéhère-Júnior, L. (2010). O Ensino Profissionalizante na Imperial cidade de São Paulo, Brasil (1823-1889). História da Educação, 14(32) ASPHE/FaE/UFPel. 109-141.
Publicado
2017-09-26
Cómo citar
Sucupira Stamatto, M. I. (2017). Asistencia social educativa para la infancia desvalida (Brasil, 1822-1889). Revista Iberoamericana De Educación, 75, 89-110. Recuperado a partir de https://rieoei.org/RIE/article/view/1248
Sección
Artículos del monográfico