Gestão democrática na escola pública brasileira – limites e possibilidades

Palabras clave: gestão democrática, escola pública, comunidade escolar, participação.

Resumen

Este artigo, do cunho teórico e bibliográfico, busca refletir sobre as possibilidades e limites da gestão democrática nas escolas públicas brasileiras. Inserido pela Lei de Diretrizes e Bases (LDB) 9.394/96, que assegura também a educação como um direito de todos, o termo tem sido amplamente utilizado, mas pouco se reflete acerca de seu verdadeiro significado e de sua prática. Visitando investigações realizadas sobre o tema, encontramos que existe grande resistência por parte dos gestores em permitir que a comunidade participe de fato na gestão escolar, principalmente nas comunidades mais carentes, apurando grande preconceito com relação ao seu nível sócio-econômico-cultural. O que de fato a comunidade escolar precisa fazer é situar-se em nível político na participação, levando à instância do Estado os clamores da comunidade como um todo, já que o aporte técnico é incumbência da escola. Para tanto, é necessário aproximar a teoria da prática. A instituição escolar precisa abandonar sua posição autoritária, a qual acaba afastando a comunidade e criando uma dupla omissão: os pais não participam porque não se sentem acolhidos e a escola não conclama a comunidade a participar, porque diz que esta se omite.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Edite Maria Sudbrack, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI), Brasil

PPGEdu da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões , Brasil.

Hildegard Susana Jung, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI), Brasil

Mestre em Educação pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões / URI e doutoranda do Centro Universitário La Salle, Brasil.



Citas

Abdian, G. Z. & Hernandes, E. D. K. (2012). Concepções de gestão e vivência da prática escolar democrática. RBPAE, v.28, n.1, p. 144-162, jan /abr.

Akkari, A. (2011) Internacionalização das políticas educacionais: transformações e desafios. Petrópolis: Vozes.

Bueno, C. A. R. & Figueiredo, I. M. Z. (2012). A relação entre educação e desenvolvimento para o banco mundial: a ênfase na “satisfação das necessidades básicas” para o alívio da pobreza e sua relação com as políticas para educação infantil. 9a Anped Sul. Recuperado em 06 de abril de 2015 de: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/1024/128.

Cocco, E. M. & Sudbrack, E. M. (2014) A educação e as práticas de gestão democrática: discussões e encaminhamentos. In: Políticas educacionais: condicionantes e embates na educação básica. E. M. Sudbrack (Org.). Frederico Westphalen: URI – Frederico Westphalen.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988) Presidência da República. Brasília, 1988. Recuperado em 05 de junho de 2015 de: www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm.

Cossio, M. F. et al. (2010). Gestão educacional e reinvenção da democracia: questões sobre regulação e emancipação. RBPAE, v.26, n.2, p. 325-341, maio/ago.

Estêvão, C. V. (2013). A qualidade da educação: suas implicações na política e na gestão pedagógica. RBPAE, v.29, n.1, p. 15-26, jan/abr.

Fávero, A. & Tonietto, C. (2012). A reconstrução da experiência democrática - a democracia como credo pedagógico na filosofia de Dewey. Revista Práxis Educativa, v.7, n.1, p. 179-197, jan/jun. Recuperado em 06 de junho de 2015 de: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa.

Freire, P. (1987) Pedagogia do Oprimido. 17a edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1992). Pedagogia da Esperança: Um reencontro com a pedagogia do oprimido. 3ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2001). Política e educação. 5a edição. São Paulo: Cortez.

Furtado, C. (1979) Brasil: da República oligárquica ao Estado militar. 3a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gadotti, M. (2013) Educação de adultos como direito humano. EJA em Debate, Florianópolis, Ano 2, n. 2. Jul. 2013. Recuperado em 06 de junho de 2015 de: http://periodicos.ifsc.edu.br/index.php/EJA.

Gracindo, R. V. (2007) Gestão democrática nos sistemas e na escola. Brasília: Universidade de Brasília.

Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: 20 de dezembro de 1996. Recuperado em 07 de junho de 2015 de: www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm.

Nóbrega, J. E. N., Silva, M. J. R., Silva, F. P., Santos, W. B. (2012). Conselho escolar, da teoria à prática: Diagnóstico de atuação. Ufpb. Recuperado em 06 de abril de 2015 de http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/rle/article/view/10970.

Nogaro, A. & Silva, H. A. (2015) Professor reflexivo: prática emancipatória? Curitiba, PR: CRV.

Paro, V. H. (1992). Gestão da Escola Pública: a Participação da Comunidade. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Vol. 73, n.174, 1992. Recuperado em 07 de junho de 2015 em: http://www.emaberto.inep.gov.br/index.php/RBEP/article/view/451.

Paro, V. H. (2000). Qualidade do ensino: a contribuição dos pais. São Paulo: Xamã.

Santos, B. S. & Avritzer, L. (2002). Introdução: para ampliar o cânone democrático. Recuperado em 06 de abril de 2015 de: http://www.economia.esalq.usp.br/intranet/uploadfiles/477.pdf.

Turchi, L. M. (1997) Qualidade total: afinal, de que estamos falando? Texto para discussão número 459. IPE, Ministério do Planejamento e Orçamento. Brasília: fev. de 1997.

Weyh, C. B. (2011). Educar pela participação. Santo Ângelo: FURI.

Cómo citar

Sudbrack, E. M., Jung, H. S., & Back Weyh, C. (2016). Gestão democrática na escola pública brasileira – limites e possibilidades. Revista Iberoamericana De Educación, 71(1), 59-74. https://doi.org/10.35362/rie71148
Publicado
2016-05-15
Sección
- Gestión escolar