Uma abordagem histórico-cultural para o ensino de física: análise e proposta de uma sequência didática

  • Douglas Augusto Galbiatti Universidade Estadual “Julio de Mesquita Filho”, Brasil
  • Eder Pires de Camargo Universidad Estatal Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP), Brasil
Palabras clave: ensino de física, teoria histórico-cultural, abordagem de ensino, sequência didática.

Resumen

Analisa-se nesse artigo uma sequência didática desenvolvida durante uma pesquisa de mestrado. A sequência em questão, em conjunto com cinco montagens experimentais compôs uma abordagem de ensino elaborada e aplicada com alunos de um curso de licenciatura em física de uma universidade pública brasileira. As atividades da pesquisa mencionada foram efetuadas segundo os passos ordenados na sequência didática, de forma que, cada passo serviu como agente direcional das ações realizadas pelo pesquisador. Os métodos dessa pesquisa qualitativa efetivaram-se através da gravação, em áudio e vídeo, dos encontros realizados com os sujeitos, que permitiram a posterior transcrição e análise das atividades. Os resultados obtidos apontaram no sentido da evolução conceitual do pensamento dos indivíduos, no tocante aos conceitos estudados, indicando, assim, as potencialidades e os limites das atividades executadas. Almejamos por meio da exposição da mesma, apresentar e analisar os resultados gerados pela aplicação, bem como suscitar a possível utilização dessa sequência por docentes dos distintos níveis de ensino.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Eder Pires de Camargo, Universidad Estatal Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP), Brasil

Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, Universidade Estadual “Julio de Mesquita Filho”. Brasil.

Citas

ARAÚJO, M. S. T.; ABIB, M. L. V. S. Atividades experimentais no ensino de física: diferentes enfoques, diferentes finalidades. Revista Brasileira de Ensino de Física, vol. 25, n. 2, jun. 2003.

BEDNARZ, NADINE. Interações sociais e construção de um sistema de escrita dos números no ensino fundamental. In: Após Vygotsky e Piaget: perspectivas social e construtivista – escolas russa e ocidental. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

BERNARDES, M. E. M. O pensamento na atividade prática: implicações no processo pedagógico. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 16, n. 4, p. 521-530, out/dez. 2011.

CHIZZOTI, ANTONIO. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

GALBIATTI, DOUGLAS A. A interação entre os alunos em atividades de demonstração experimental aberta num curso de licenciatura em Física: um estudo do desenvolvimento conceitual sob a perspectiva histórico-cultural. 2014. 152 f. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) – Faculdade de Ciências, Campus Bauru, Universidade Estadual “Julio de Mesquita Filho”. 2014.

GASPAR, A. A teoria de Vigotski: um novo e fértil referencial para o ensino de ciências. Tese de Livre-Docência, Faculdade de Engenharia, UNESP – Campus de Guaratinguetá. Guaratinguetá, 2006.

LABORDE, COLLETE. Duas utilizações complementares da dimensão social nas situações de aprendizado em Matemática. In: Após Vygotsky e Piaget: perspectivas social e construtivista – escolas russa e ocidental. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

MORAES, R; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação, v. 12, n. 1, p. 117-128, 2006.

MORAES, ROQUE; GALIAZZI, MARIA C. Análise Textual Discursiva. 2. ed. rev. – Ijuí: Ed. Unijuí, 2011, 224 p.

PEREIRA, A. P.; JUNIOR, P. L. Implicações da perspectiva de Wertsch para a interpretação da teoria de Vygotsky no ensino de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 31, n. 3, p. 518-535, dez. 2014.

PRESTES, Z. Quanto não é quase a mesma coisa: análise de traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil – Repercussões no campo educacional. 2010, 295 f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Educação/Faculdade de Educação – Universidade de Brasília/UnB).

REGO, TERESA C. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. 23 ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

SILVEIRA, NÁDIA M. A persuasão no discurso argumentativo de sala de aula. Maceió: EDUFAL: 2010, 258 p.

SPOSITO, S. E. Apontamentos sobre a apropriação da teoria Vigotskiana no Ensino de Ciências: problemas conceituais e metodológicos decorrentes do pluralismo metodológico. 2007, 97 f. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência). Faculdade de Ciências, UNESP, Bauru, 2007.

URIAS, GUILHERME. O uso do cinto de segurança numa perspectiva do ensino de ciências problematizadora. 2013, 110 f. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Bauru, 2013.

VIGOTSKI, LEV. S. A construção do pensamento e da linguagem. Ed. Martins Fontes, 2001.

ZABALA, ANTONI. A prática educativa. Como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998. 224 p.

Cómo citar

Galbiatti, D. A., & Pires de Camargo, E. (2016). Uma abordagem histórico-cultural para o ensino de física: análise e proposta de uma sequência didática. Revista Iberoamericana De Educación, 72(1). https://doi.org/10.35362/rie72132
Publicado
2016-11-28
Sección
Artículos del especial
Bookmark and Share