O ensino de Física e os portadores de deficiência visual: aspectos da relação de suas concepções alternativas de repouso e movimento com modelos históricos

  • Éder Pires de Camargo Universidade Estadual Paulista (UNESP), Brasil
  • Luis Vicente de Andrade Scalvi Universidade Estadual Paulista (UNESP), Brasil
  • Tânia Moron Saes Braga Universidade Estadual Paulista (UNESP), Brasil
  • Estéfano Vizconde Veraszto Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Brasil

Resumen

O enfoque que vem sendo dado às concepções alternativas dos estudantes, revela entre tantos aspectos, a superação do paradigma tradicional de ensino que desprezava tais concepções classificando-as como ignorância. A partir dos últimos trinta anos, o estudo das concepções alternativas de estudantes a respeito de conceitos físicos, começa a tomar forma e ganhar destaque entre educadores construtivistas que buscavam uma melhoria em sua prática pedagógica. Tal estudo demonstra as diferenças entre o pensamento científico atual e as noções espontâneas dos estudantes, indicando as falhas da instrução formal tradicional na superação de tais noções. No tema aqui abordado, é feita uma análise das concepções alternativas de um tipo particular de estudante, o deficiente visual total e é feita também uma comparação de tais concepções com a Física Aristotélica e com a Física Medieval do Impetus. Pretende-se que tal estudo possa ser útil ao ensino de Física para pessoas cegas, já que de posse desses resultados o professor que trabalhe com tal demanda terá subsídios indispensáveis para sua prática.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Publicado
2006-05-10
Cómo citar
Pires de Camargo, Éder, de Andrade Scalvi, L. V., Moron Saes Braga, T., & Vizconde Veraszto, E. (2006). O ensino de Física e os portadores de deficiência visual: aspectos da relação de suas concepções alternativas de repouso e movimento com modelos históricos. Revista Iberoamericana De Educación, 38(6), 1-19. https://doi.org/10.35362/rie3862602
Sección
- Didáctica de las Ciencias y la Matemática